Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas

O amor numa banca de jornal

8 Comentários

banca3

Dona Teresa mantém uma banca de jornal há mais de vinte anos na esquina da rua Visconde de Caravelas com Capitão Salomão, no Humaitá. Ela diz que é uma “banca das crianças” e acrescento que é também uma banca para pessoas que gostam de receitas e sorvetes. Me senti no lugar certo, como minhas alunas em campo no semestre passado, conseguindo o privilégio de desenhar sentada numa mesinha de plástico do “Bar dos Amigos”, bem em frente. Estava calor, mas a água era gelada e os poucos sons vinham da conversa de alguns bebedores de chope e de um casal tentando ensinar o filho a andar com o patinete ganho no Natal. Ao me entregar à tarefa do desenho, o mundo vai ao mesmo tempo se dissolvendo e tomando forma. Muitos passam para cumprimentar Dona Teresa, dizem que os políticos estão cada vez piores, desejam feliz ano novo, e que teremos sorte se o governo roubar menos; os pais insistem centenas de vezes: se você colocar o pé direito e jogar o peso do corpo pra frente, conseguirá se equilibrar, só que se o calor continuar assim, vamos ter que subir.

Estava ali, desenhando, sem nenhum outro motivo. Não, eu não estava só passando; não estava fazendo hora, à espera de alguém; não, não moro ali perto. Saí de casa com o propósito de desenhar a banca de jornais daquela esquina para talvez colocar aqui neste post. Ainda não sabia que era a banca da Dona Teresa, mas lembrava do seu esplendor, da sua esfuziante mistura.

Como é possível viver para a arte, fazendo algo que não interessa a ninguém? “É um projeto artístico, ou um projeto terapêutico?” pergunta-se um bem humorado Cristóvão Tezza (em O filho eterno), refletindo sobre sua vida até então fracassada de escritor. Escrevo “umas coisinhas”, diz seu personagem, “o álibi de quem se desculpa, de quem quer entrar no salão mas não recebeu convite”. Dizer “eu escrevo” é como revelar sua intimidade, sentir o “peso do ridículo” de ser “alguém que publica livros aos quais não há resposta, livros que ninguém lê”.

Tezza nos conta (em O espírito da prosa) que foi preciso “desembarcar” das suas “próprias nuvens”:  parar de respirar as mensagens políticas e literárias dos outros. Ao reler trabalho anteriores, ele afirma:

“percebo o óvio: eu não estava ali. Um escritor ausente de sua frase é a derrota do texto. Eu continuava obedecendo a uma pauta em grande parte alheia, tateando formas e ideias no escuro.”

Foi preciso aceitar seus desejos mais secretos — o prazer pelas cartas, pelo humor, pelas narrativas  — para se tornar o escritor que queria ser.  Não que tenha passado seu sentimento de inadequação. Afinal, “é simples e cristalino: ninguém pede para você escrever.” Não há anúncios do tipo “procuram-se escritores”, “contratam-se romancistas”, “Poetas, com referências, paga-se bem”.

Gostei de começar 2014 voltando a me reunir com as obras de Cristóvão Tezza que conheci e por quem me apaixonei em 2013. Ele reafirma para mim a ideia de que criar é um “gesto ético de abandono e generosidade”, de tentar se transformar em outra pessoa, de obrigatoriamente tentar “ver o mundo do lado de fora de si mesmo”.

Acho que é um bom começo, talvez até mesmo uma definição perfeita do amor: escutar-se, encontrar-se consigo, mas entregar-se à conexão com os outros, sempre e intensamente.

É o que posso desejar de melhor para tod@s que me acompanharam até aqui. Obrigada, de verdade.

Sobre o desenho: No velho caderninho de sempre, usei canetinha nanquim Pigma Micron 0.05 para o desenho feito no local. Adicionei as cores em casa com aquarela e lápis de cor, com a ajuda preciosa vinda do olhar do meu filho Antônio, e de uma foto tirada com o celular, que não tenho olho nem imaginação biônica…

Sobre os livros de Cristóvão Tezza: O espírito da prosa: uma autobiografia literária (ed. Record, 2012) e O filho eterno (ed. Record, 2010, 9a.ed, lida no Ipad na app Kindle). Não vou indicar todas as páginas, pois foram muitos os trechos que citei. Mas recomendo que leiam, leiam integralmente os dois livros, que são como duas faces da mesma incrível e apaixonante história. Ambos, um prazer do início ao fim.

8 pensamentos sobre “O amor numa banca de jornal

  1. Pingback: 25 dicas para revisar textos acadêmicos (de trás pra frente) | Karina Kuschnir

  2. Querida Kau

    Consegui imaginar a cena direitinho – você ali absorvendo tudo ao redor e ao mesmo tempo absorta nas suas próprias reflexões.

    Além dos lindos desenhos, o que mais gosto nos seus posts é a capacidade de costurar ideias, sentimentos e fatos, em uma mescla que… puf! De repente faz todo sentido!

    Eu tive o privilégio de ser aluna do Cristóvão Tezza no meu primeiro ano da faculdade de Comunicação. Ele dava aulas de Língua Portuguesa. Um talentoso e paciente mestre com uma turma de adolescentes. E eu louca para escrever, escrever e escrever. Mas, admito que talvez não tenha tido a maturidade suficiente, com apenas 17 anos, para aproveitar o Tezza em toda a sua profundidade.

    Beijos, minha querida amiga.

  3. Beleza de persistencia, K.
    Fazer qualquer coisa só porque quer, porque gosta, porque é bom, bonito e de gratis!
    Viva tu, viva 2014, viva a graça de fazer de graça!
    Carinho, sempre,
    Clau

  4. Karina, querida amiga, de poucos encontros mas muita estima.

    Um deleite seus desenhos textos. Este, o último de 2013, nos embala para um 2014 mais esperançoso, e quem sabe, promissor de ideias e desejos.

    Não sei se o desenho ao lado aparecerá no meu recado, tomara, porque é a cara do meu neto Raphael – que também ama desenhar.

    Beijo para você e as crianças.
    Clarice

  5. que lindo, Karina! Que o seu 2014 seja cheio, repleto, pleno de amor, textos e desenhos (ah!, e descobertas). Beijos com saudades, Arbel.

  6. “Desenhar sem motivo” é mesmo o que eu penso que é a liberdade total.
    Bjs

  7. Olá, Karina.
    Ontem quando estava relendo minhas anotações da aula de filosofia, reencontrei esta frase do lindo poema “Endymion”, “A thing of beauty is a joy for ever” de J. Keats.
    Viva as grandes pequenas coisas da vida. A cada dia seus desenhos estão mais lindos!
    Feliz 2014! Beijos,
    Nathalia

  8. Oi Karina,

    Lindo desenho e lindo post. Adorei particularmente a frase “o mundo vai ao mesmo tempo se dissolvendo e tomando forma”. Serve para todas as formas de criação, acho.

    Feliz Ano Novo.

    Beijo,

    Arthur

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s