Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas

Atenção: obras pedestres

8 Comentários

obrasp

Há semanas, meses, anos, a rua onde moro vive em obras. Dizem que aqui passava um rio, e por isso todos os fios entram em curto e todas as manilhas se rompem. As britadeiras começam às 8 horas da manhã, mesmo aos domingos. As crianças e os gatos sufocam com o barulho.

Tento consolá-los dizendo que os operários lá embaixo estão sofrendo mais. Além da obra-em-si e seus ruídos, os motoristas se atracam às buzinas e os funcionários de trânsito bufam nos apitos, ambos numa ansiedade insana.

Fujo do caos, a pé, rumo ao metrô para dar aula no IFCS. Converso com os alunos, vemos juntos Debrets e Salavisas antes de partirmos para a rua. Nos abrigamos num pequeno largo dentro do Largo da Carioca para observar os passantes. Ficamos noventa minutos em paz. Exercícios fáceis com lápis de cor: acompanhar o movimento, riscar o papel. Sem modelos, sem compromissos. Depois desafios, formas, volumes, tempo livre. Voltamos para admirar os cadernos, beber água e conversar.

Saio do metrô com o céu já escuro para atravessar os 750 metros que faltam até a minha casa. Vejo um guarda municipal chutando cones e explodindo contra os carros que avançam na contramão. Quero rir, mas tenho pena.

E então vejo aqueles velhos baldes da obra se transformando em luminárias; as faixas dos tapumes brilhando no escuro. Meus olhos estão com as lentes dos desenhos da tarde.

Isso nunca me acontece — porque sempre morro de preguiça — mas aconteceu: resolvi pegar o caderno em casa e voltar para desenhar a cena. Achei um cantinho, encostada na grade de um prédio. Tentei calcular os espaços dos tapumes e agradeci por serem seis: três para cada lado do caderno, ufa.

As placas me comovem. Os pedestres são jogados para o nada: não há passagens, só asfalto e carros zunindo. Para onde vai aquela seta? Lembro do operário com quem conversamos outro dia. Há algo de surrealista na placa amarela: uma obra “a 20 mts” grudada nela mesma. E aquele quinto tapume, o único pichado? Foi Banksy quem mandou colocar?

Tudo isso junto foi a metáfora perfeita para a minha vida atual: em obras, a passo de pedestre, um dia de cada vez.

Sobre o desenho: Desenhei por observação com uma canetinha de nanquim permanente Micron 0.05 num caderno Molesquine formato paisagem. Já em casa, acrescentei as cores com aquarela e lápis de cor. Não tive coragem de fazer a noite por trás de tudo… Talvez por isso os baldes do desenho não cheguem nem perto do brilho que tinham os observados. Mas, fazer o que? Ainda estou em obras… Escaneei cada uma das páginas do caderno e depois juntei pelo meio com Photoshop. Como não tenho muita paciência, cortei as margens, que denunciavam a montagem tosca.

Anúncios

8 pensamentos sobre “Atenção: obras pedestres

  1. Karina Linda,
    ver beleza no caos é só pra quem tem a Belezura dentro, como vc.
    Nós todos em obras sempre, por dentro e por fora! Graças a Deus!
    Bjs e obrigada pelo prazer meu de cada semana.

  2. Querida Karina,

    Lindo texto – e otimista: afinal, estamos todos em obra – sempre (desconfio), o que é muito bom. Beijo!!!

    • obrigada, querida amiga! Sim, sempre em obras, por dentro e por fora! A surpresa para mim foi ter conseguido ver alguma beleza nesse caos sujo e barulhento… 🙂

  3. Genial Karina! beijos

  4. Que honra Karina! Ser mencionado na Academia e junto a Jean Baptiste Debret! Para quando uma conferência aqui em Lisboa?

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s