Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas

Anti-selfies

4 Comentários

rostos

Foi meu filho quem mostrou: — Olha, mãe, quase todos têm barba aqui no auditório! (Estávamos na PUC, assistindo a uma mostra com produções dos alunos de… cinema; alguém desconfiou?)

Antônio sempre foi assim, capaz de detectar padrões visuais, mesmo nas situações mais complexas. Fazia quebra-cabeças de 250 peças aos quatro anos, decorava mapas e bandeiras, sabia identificar o andar de um shopping pelo desenho dos mosaicos no chão.

Eu não. Tenho dificuldade com ambientes grandes, lojas de departamentos, multidões e paisagens. Vai ver porque sou miópe nos dois olhos (bastante), mesmo usando óculos o dia todo desde os 13 anos.

Gosto de olhar de perto, de gente, face, rosto, retrato… E dos outros! Como escrevi aqui, o que me motiva é conhecer as pessoas. De mim, já tenho o suficiente. Se pudesse até que seria ótimo doar meus pensamentos repetitivos por aí — mas tenho certeza de que ninguém ia querer…

Felizmente, cada vez mais aprendo e aproveito o fato de que desenhar é uma forma saudável de esquecer de mim.

Abaixo, pessoas iluminadas pelo letreiro laranja e vermelho de um restaurante.

rostos-001

 

Abaixo, à esquerda, faces da platéia durante um seminário de antropologia (IFCS/UFRJ).

rostos-002

A seguir, pessoas na sala de espera de um cartório.

rostos-003

E para terminar, meus personagens mais frequentes: passageiros cansados no metrô.

rostos-004

Sobre os desenhos: Linhas feitas com canetinhas de nanquim permanente Unipin 0.05 ou 0.1 sobre caderninho Laloran. Nas barbas da PUC, as sombras foram feitas com aguada de nanquim no local, através de um pincel waterbrush. Nos desenhos da platéia, usei canetinha vermelha Moji 0.38 (antes que vocês corram para comprar: acho as Unipins bem mais macias.) Nos demais, cor adicionada em casa com aquarela Winson & Newton.

 

Anúncios

4 pensamentos sobre “Anti-selfies

  1. Tô igual que nem você, querida! Gostando demais de gente!
    Quanta semelhança e quanta diversidade, lindo demais!
    Pluft, o fantasminha, tinha medo e atração, às vezes me sinto assim também.
    Bj

  2. Muito bacana, Karina!!!

  3. Kau, bom dia!
    Gosto cada vez mais dos teus textos. De como o pensamento entra no desenho – e o desenho no pensamento.
    Nesse, em particular, eu adorei quanto tu fala que de ti tu já tem o bastante.
    Beijo grande.

  4. delicia !!!

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s