Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


6 Comentários

Desenho Etnográfico – I Mostra da ABA e imagens de uma aula lúdica

miria_pEstá acontecendo! O desenho entrou para valer na agenda da antropologia — viva!

Na 32ª Reunião Brasileira de Antropologia de 2020 haverá a I Mostra de Desenho Etnográfico, com trabalhos que utilizem desenhos relacionados à pesquisa antropológica. 2020 RBA I Mostra Desenhos EtnograficosEstou torcendo para chegarem muitas incrições! O prazo para envio é 31/01/2020.

A página de eventos da RBA está aqui: https://bit.ly/35wb6CE. E o edital completo pode ser acessado aqui: https://bit.ly/2up651M

Para completar minha alegria, a imagem de Miriã Cruz, aluna do meu curso de Antropologia e Desenho no IFCS/UFRJ, foi selecionada para o cartaz de chamada do edital.

A ideia da equipe era ter um registro em que o próprio pesquisador-desenhador estivesse inserido na cena. Essa é uma estratégia gráfica que procuro trazer para as aulas, pois um dos efeitos de desenhar no trabalho de campo é colocar em evidência a presença do etnógrafo na narrativa. Como escreveu uma aluna em sua reflexão:

“Uma das principais lições desse exercício é que o pesquisador não é um mero observador, mas uma parte integrande da pesquisa. Quando pesquisamos, estamos envolvidos corporalmente e psicologicamente com o objeto e os sujeitos pesquisados. A neutralidade científica é um mito.” (Luana Fontel)

thais_rayssa

Miriã fez o desenho que abre esse post na penúltima aula do semestre. A turma de 2018-2 do curso noturno de Antropologia e Imagem foi inesquecível. Apesar de serem quase 60 pessoas — o que é muito numa aula normal, imaginem numa aula prática –, acho que tivemos uma conexão especial.

Vendo a empolgação de todos, e querendo proporcionar uma experiência diferente, resolvi levá-los para desenhar numa biblioteca reservada do IFCS, onde só se entra com hora marcada. É a nossa “mini Hogwarts” — um pequeno labirinto de três andares de estantes, escadas e passarelas, tudo de madeira. Um lugar incrível de um prédio cuja fundação começa no século XVIII, se constrói no XIX e se modifica ao longo do XX.

fernando_paula_luana.jpg

A emoção foi coletiva, como escreveu um Fernando:

“Enquanto desenhava, pensava sobre as gerações de pessoas anteriores a mim que passaram por aquele local, desde as que construíram o prédio até as que circulavam por ali. (…) Esperanças, medos, deslumbramentos e o sentimento de vida em movimento me inspiraram a traçar as linhas para meu desenho. Nunca tive um aula assim.” (Fernando Lima)

luna_thaiany_yasmin2

Fui compartilhando ao longo do post alguns dos desenhos que os alunos fizeram nesse dia. A única orientação era para que incorporassem a si mesmos desenhando e, se possível, algum dos colegas de turma desenhando também. Foi difícil selecionar apenas nove imagens para o post, porque amei todas! Adorei que a Thais escreveu no desenho dela:

“Ouço bem de longe a professora dizer que o ato de desenhar é também de fazer escolhas. Desisto da ideia de abraçar o mundo com as pernas, como sempre diz meu pai. Escolho a ideia do labirinto de escadas cruzadas (…).” (Thais Vilar)

Ah, e não custa lembrar: os artistas são alunos de Ciências Sociais. A maioria não tinha experiência intensiva com artes. Sobre a proposta nesse dia, a Luna escreveu:

“[primeiro] pensei: impossível. (…) no fim, fiquei bem impressionada e bem feliz com meu desenho; e levei pra vida a discussão em aula sobre não olhar apenas para todas as dificuldades que nos fazem sentir pequenos, mas olhar para cada passo, para cada gesto e, assim, enfrentar o que nos paralisa.” (Luna Mendes)

Qualquer pessoa pode desenhar, gente.

Agradeço até hoje por esse dia tão mágico. Obrigada turma de 2018-2! ♥

Vocês podem ler sobre os fundamentos que utilizo nessas aulas no artigo “Ensinando antropólogos a desenhar” que está na página de referências Antropologia e Desenho.

Os planos de aulas lúdicas mais elaborados estão na página Vida Acadêmica e Aulas.

♥ 2 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-ou-dignas-de-nota da semana:

. Novo número da Revista Tessituras – Revista de Antropologia e Arqueologia, com o dossiê Antropoéticas: outras (etno)grafias, editado por Patrícia dos Santos Pinheiro, Cláudia Turra Magni e Marília Floôr Kosby. Sumário fantástico, com textos de Ana Lúcia Ferraz, Fabiana Bruno, Ana Luiza Carvalho da Rocha, Matheus Cervo,
Aina Azevedo, Daniela Feriani, pra citar apenas alguns nomes que acompanho mais de perto. A vontade é de ler o número inteiro! Já comecei a imprimir pelo PDF da Aina.

. Aproveitando o tema, divulgo uma chamada linda que recebi da revista Fotocronografias — link aqui. O desenho maravilhoso da imagem abaixo é da Thay Freitas (ig: @thay_petit). O prazo para envio de contribuições é 31/03/2020.Chamada revista 1

Sobre os desenhos: Os alunos receberam uma folha branca de papel A4, 75 gr, para desenhar. Todos fizeram o desenho por observação direta no local , utilizando caneta (esferográfica preta ou canetinha de nanquim descartável). As cores foram acrescentadas em casa. A Miriã ficou com medo de estragar o desenho original e tirou uma xerox, colorindo com aquarela a cópia. O resultado foi incrível para um papel tão simples! Os demais coloridos foram feitos com lápis de cor e um pouco de aquarela também. 

Você acabou de ler “Desenho Etnográfico – I Mostra da ABA e imagens de uma aula lúdica“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Desenho Etnográfico – I Mostra da ABA e imagens de uma aula lúdica”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Ov. Acesso em [dd/mm/aaaa].


6 Comentários

Expirar, escrever, desenhar

metro3_p

Há muitos anos atrás, aprendi que uma crise respiratória pode ser por “excesso de ar” nos pulmões, e não falta. A aflição nos faz de tentar inspirar, quando na verdade precisamos expirar, de preferência bem devagarinho.

Descobri que existe também a “aerofagia”, dor e enjôo causados quando se respira muito pela boca, deixando o estômago cheio de ar. Sintoma típico de ansiedade. Até ar em excesso nos adoece.

Imaginem o nosso nível de intoxicação atual… Preocupação extrema, stress, tristeza, sensação de impotência… Quem não está sentindo tudo isso com o nível obsceno das ações governamentais no Brasil? Acrescentem uma dose extra se vocês moram no Rio de Janeiro…

Não tenho soluções, só tentativa de sobrevivência. É a minha versão de receita tipo-bela-gil: “você poderia trocar o consumo de notícias,  vídeos e posts horríveis por…escrever e desenhar”.

Voltei a escrever um diário em papel, no mínimo três páginas A5 por dia. Achei um caderninho usado aqui em casa, pautado, daqueles bem baratinhos da Tilibra. Ando com o telefone grudado nele e na minha caneta de escrita preferida, uma bic azul cristal ultra fine. Toda vez que sinto um impulso de pegar no celular, olho os dois objetos e penso: abro a tela e vejo mais uma atrocidade, ou abro o caderno e escrevo sobre uma ideia, um sonho, qualquer coisa? O caderno, gente. Escrever está sendo como expirar as toxinas… Às vezes estou num dia tão difícil que sigo acrescentando parágrafos em vários momentos. Está sendo uma auto-terapia.

Voltei também a desenhar no metrô, observando as pessoas com a compaixão que o registro gráfico exige. Registrar o corpo de alguém no caderno é uma forma de expirar o que vejo, um pequeno traço por vez. Além das imagens no início do post, seguem algumas cabeças… Parecem cansadas, como eu. Sinto-me menos só.

metro2_p

Para quem acha que não sabe desenhar (desde já, discordo!): vale recortar e colar, contornar, colorir mandalas. Qualquer coisa analógica serve: tricotar, bordar, cozinhar, pintar, brincar de massinha ou cerâmica. A ideia é fazer “algo para fora”, ao invés de colocar mais coisas para dentro.

Boa semana! ♥

2 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-e-dignas-de-nota dos próximos dias:

solvermelho• Estreia amanhã, 19/08/2019, a exposição “O nosso sol é vermelho”, do Antônio Kuschnir! (Meu filho, para quem não sabe!) Será na Galeria Macunaíma, na Escola de Belas Artes da UFRJ (1º andar do Prédio da Reitoria, na Cidade Universitária), onde ele estuda. Vai ser incrível!

Para quem não conhece o trabalho dele, vocês podem ter uma amostra no Instagram ou no Facebook, mas nada como ver ao vivo — é lindo demais:

https://www.facebook.com/antonio.castro.9231712

https://www.instagram.com/antoniokuschnir/

• Está aberta até o dia 30/08/2019 a campanha de financiamento coletivo para a reconstrução da Biblioteca Francisca Keller, do PPPGAS/Museu Nacional, uma das preciosidades perdidas no incêndio do prédio. Qualquer valor é importante: https://www.bfkmuseunacional.org/

bfk2

Sobre os desenhos: Pessoas desenhadas com canetinha de nanquim permanente Staedtler 0.5, num caderninho Hahnemühle A6. Acrescentei a aquarela em casa, com toda calma, deixando secar uma camada antes de pintar a próxima. Em quase todas as cores, acrescentei um fiapinho de Lunar Black, uma tinta nova na minha paleta, que uma amiga me trouxe dos EUA em janeiro. Estou amando, pois ela cria um granulado lindo por onde passa. Depois conto mais sobre alguns materiais novos porque o objetivo de hoje é fechar a semana com o post publicado! Abraço apertado, pessoal. Tirem o pó dos cadernos, das tintas e dos pincéis. Recomendo. ☼

Você acabou de ler “Expirar, escrever, desenhar“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2019. “Expirar, escrever, desenhar”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Mf. Acesso em [dd/mm/aaaa].


3 Comentários

Férias de professora

feriasprofessora_p

Quem reconhece uma sacolinha lotada assim, levanta a mão! Taí a imagem que sintetiza as minhas “férias” e a de quase todos os professores que conheço. Pilhas de trabalhos pra corrigir em casa, e a ilusão de que vamos terminar artigos, entregar pareceres, enviar relatórios, marcar orientações e, quem sabe, dar um gás na pesquisa e até uma arrumada nos programas de curso do semestre que vem. [Pausa para suspirar.] Alguém se identifica?

Confesso que pesquei essa listinha de um amigo querido, que me mandou um áudio comentando tudo que ele tinha pensado em fazer nesse recesso da universidade. Ri sozinha de nervoso ouvindo a mensagem no zap. Pessoa mais doida é professor… Não sabe fazer conta da imensidão do próprio trabalho, não sabe dizer não pros textos, pros alunos, pros amigos que pedem pareceres, nem pra si mesmo…

A maioria está assim por conta da precarização do trabalho, claro. O que mais tem é professor com 30 turmas em três empregos. Mas nem todos!

Muitos, como eu, se atolam porque lidam com assuntos e causas que os apaixonam. Só que a vida é como um grande barco de restaurante japonês: para comer as peças que mais gostamos, temos que entubar um monte de kani.

E olha que eu me acho super organizada. Tenho um sistema com todas as informações sobre o que preciso fazer, quando, onde e como. Sei quanto tempo levo nas tarefas e quais compromissos não posso ou não quero aceitar. Tenho clareza sobre as minhas prioridades — filhos, depois eu mesma (amor/saúde/arte incluídos), aulas e alunos, atividades da universidade em geral, a casa e o mundo.

Mas a vida e a antropologia estão aí pra nos lembrar que os laços obrigam. Se amamos nossos bichos, nos cabe cuidar. Se vamos publicar num livro da Routledge (sim, viva!), precisamos fazer o parecer que nos pedem. Se nos dedicamos às aulas, temos que corrigir os trabalhos à altura. A cada “sim”, temos uma dívida em potencial cozinhando. É preciso levar as obrigações a sério, já dizia a saudosa professora Lygia Sigaud.

A doença da Lola me impactou, alguns alunos atrasaram… e a sacolinha cheia de trabalhos foi ficando esquecida num canto. De repente, me pareceu tão bonita, recheada assim. Precisei desenhar e pintar antes de começar a corrigir. Justifiquei pra mim mesma que estava tudo bem, que o prazo ainda não chegou, que tem trabalhos vindo por e-mail ainda, porque foi pro brejo a minha rigidez de professora jovem e determinada. Como diria meu ex-terapeuta, “– É uma vitória quando você chega atrasada, Karina.” Taí o motivo do atraso, alunos queridos. Fiquei pintando os trabalhos de vocês e escrevendo post. Tudo em nome da arte, porque só a arte e os estudos nos salvam.

A pequena “natureza morta” que ilustra esse post une essas duas coisas: arte (a sacolinha preta foi presente do Simpósito anual dos Urban Sketchers em Manchester, de 2016, onde dei uma palestra); e estudos (os trabalhos de duas turmas maravilhosas de 2019-1, um semestre em que me dediquei a estudar e me renovar). Juntos, esses objetos me lembram do motivo de eu estar aqui pensando, escrevendo e desenhando em público, enfrentando a timidez e a preguiça. rs

Obrigada pela companhia, pessoal. Boa sorte e muita tranquilidade para todos que estão às vésperas das seleções de mestrado nesse final de julho. Meu coração está com vocês. ♥

PS: As notas de já foram lançadas, ufa! E pra quem gosta do tema #vidadeprofessora, tem esse post Sete coisas invisíveis na vida de uma professora e esse Quinze coisas para fazer na volta às aulas como professora, além de todos os marcados com a #mundoacademico.

6 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-ou-dignas-de-nota — Amo blogs e newsletters. Aí vão algumas que são ótimas companhias para ler nos momentos em que vocês precisarem de bons conteúdos pra se distrair, sem precisar recorrer às redes sociais:

* Duas Fridas: newsletter do blog Duas Fridas da Helê e da Monix. Sempre com temas ótimos, bom humor e com lembranças maravilhosas de posts passados que me fazem sorrir e esquecer o caos dos tempos atuais.

Ainda não acabei de pensar nisso: newsletter do blog Papiro Papirus, da Rita Caré, portuguesa, artista, bióloga, comunicadora, cheia de humor e maravilhas a nos deliciar com suas descobertas e reflexões.

Eva-Lotta: newsletter do blog da ilustradora alemã Eva-Lotta Lamm que ama o mundo das anotações desenhadas, aprender novas habilidades, pensar o cotidiano de forma lúdica e ensinar. Uma lindeza! (em inglês)

Austin Kleon: newsletter semanal do blog do autor que descobri por meio da Rita Caré (acima) — obrigada, Rita! Traz sempre uma listinha de dez sugestões de leituras, links, imagens interessantes para o autor. Voltada para quem ama livros, arte, educação: ou seja, nós! (em inglês)

Viktorija Illustration: newsletter mensal do blog da ilustradora Viktorija, baseada em Londres. Traz propostas de exercícios, inspirações, dicas e sugestões de materiais de arte. É bem despretenciosa e bonitinha. (em inglês)

• E como faço para saber dessas coisas? Utilizo um app de blogs chamado Feedly, onde “assino” os blogs que gosto, separados por assuntos. Leio no notebook, mas é também o meu app de celular preferido, seguido do Kindle, cheio de amostras de livros que não vou comprar!

E vocês, quais newsletters me indicariam?

Sobre o desenho: Fiz primeiro um rascunho rápido com lapiseira observando a sacola cheia com os trabalhos de uma turma, apoiada na pilha de trabalhos da outra (o caderninho vermelho foi feito por uma aluna super querida da aula de antropologia e desenho desse semestre, uma graça).  Depois desenhei por cima com caneta de nanquim permanente Unipin 0,2, em verso de um papel do bloco Canson Aquarelle XL (capa turquesa). Depois apaguei o lápis e pintei com vários materiais: a sacola preta e o caderno vermelho foram pintados inicialmente com uma guache acrílica (Acryla Gouache, da Holbein, que ganhei ano passado e só agora comecei a experimentar); as letras brancas na sacola foram feitas no dia seguinte (para a base secar bem primeiro!) com caneta Gelly Roll 0,8 branca da Sakura. O restante foi colorido com lápis de cor (os detalhes dos trabalhos) e aquarela (especialmente as sombras).

Você acabou de ler “Férias de professora“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2019. “Férias de professora”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3L4. Acesso em [dd/mm/aaaa].


2 Comentários

Aceitação pelo método Cupim-Kondo

terra_p

“Quem diria que as máculas vivem e ajudam a viver.” (Frida Kahlo)

Estou passando por uma fase de auto-aceitação. Não, não fiz dieta, nem ginástica, nem ganhei prêmios.

O processo veio do luto, da passagem do tempo, dos feminismos renovados, da leitura e escuta de mulheres e pessoas negras, das dores e alegrias de assistir ao crescimento dos meus filhos e de uma simples descupinização.

Apesar de já me considerar minimalista, em janeiro e fevereiro encaramos uma descupinização (há muito adiada) de todos os velhos armários do apartamento. Foi uma verdadeira revolução Cupim-Kondo! (Na verdade, o problema era “broca”.) Tivemos que tirar tudo dos quartos, um a cada duas semanas, para não gerar risco aos gatinhos. Deu um imenso trabalho, mas foi.

Apesar de pouca, havia acumulação sim. Na parte de cima do meu armário, e mesmo nos cabides, tinha calças, saias e blusas que “um dia me couberam tão bem”, sapatos comprados para o casamento de uma prima, tecidos que “qualquer hora vou costurar”, mochilas tipo “quem sabe eu uso”, sandálias que “o sapateiro consertará”, roupinhas das crianças “que um dia eles vão gostar de rever”…

Separei apenas uma caixa pequena de lembranças para cada pessoa da casa. (Na minha, guardei as peças com as estampas mais bonitas que “um dia pretendo desenhar” rs.) No mais, doeei tudo. Contando por alto, devem ter sobrado umas 20 blusas, 6 calças, 2 vestidos, duas sandálias, 1 tênis, 3 shorts, 2 saias, alguns casacos, uns sapatos de sair. Só. Que leveza abrir o armário de manhã!

Estou num processo de aceitar que não vou voltar a ter 32 anos, que tenho sono de tarde, que durmo pior, que meus cabelos estão quase brancos, que preciso de mais tempo para ir a médicos. Em compensação, sinto-me mais confiante pra estar em sala de aula, para cuidar, conversar, acolher e saber que tudo isso me faz bem.

Há tempos sei que a vida é feita de oportunidades e escolhas. Mas confesso que, ainda assim, tem um lado meu que continua querendo agradar, me “enquadrar”, dar conta, criar regras, mesmo para as coisas boas, como ser mãe, cuidadora da casa, funcionária pública, quase-artista-escritora.  

Não é possível. É um desperdício de energia lutar contra nossa própria humanidade. Preciso de tempo pra chorar, pra dormir, ir ao banheiro, namorar, pegar o ônibus e o metrô, viver sem me atropelar (tanto).

Que possamos, como ouvi no evento de ontem, “não desistir de resistir”; não desistir de lutar, aprender, mudar, rever e até, quando for o caso, de aceitar.

Sobre a citação: A frase da Frida Kahlo que abre o post está no livro “Frida Kahlo: uma biografia”, escrito e ilustrado por María Hesse (ed. LP&M). Ganhei essa preciosidade (é lindo demais!) de surpresa, de um amigo a quem ofereci um livro que descobri ter duplicado (na grande missão Cupim-Kondo que se espraiou pelas estantes também).

Sobre o método Cupim-Kondo: o nome é uma brincadeira com a Marie Kondo, organizadora profissional que ficou mega famosa com a série da Netflix sobre seu método. Li os livrinhos dela emprestados e gostei principalmente do segundo. Não tive paciência de ver a série toda porque sinto náuseas com o consumismo excessivo das famílias de classe média norte-americanas (apesar de um ou outro episódio ser melhorzinho).  Com a necessidade da descupinização, percebi que eu estava em estado de negação, que precisava de ser mais humilde. Mesmo me achando “super organizada”, vi que guardava coisas que não tinham mais sentido, numa tentativa de voltar a ser alguém que não serei mais.

terra_idp

Sobre o desenho (na verdade, pintura): Aquarela “para relaxar”, feita sem compromisso com o resultado, em dezembro/2018. Cores diversas pintadas sobre um círculo feito a lápis (depois apagado; no original aprox. 11 x 11 cm) no verso de um papel Canson XL Aquarelle. Escaneei, aumentei um pouco o contraste para ficar mais próximo do orginal e montei em várias repetições no Photoshop.

Podem deixar que não esqueci do calendário: prometo postar até domingo!

Você acabou de ler “Aceitação pelo método Cupim-Kondo“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2019. “Aceitação pelo método Cupim-Kondo”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3K2. Acesso em [dd/mm/aaaa].


11 Comentários

Paleta de aquarela atual – 44 cores!

paleta_set2018_p

Post para os nerds da aquarela! Comprei 4 tintas novas, tirei algumas de uso e reorganizei a paleta. Queria mostrar para vocês como ficou meu guia de cores refeito.

Recortei um pedaço de papel de aquarela no tamanho certo para caber dentro do estojo e tracei as divisões a lápis. Resolvi pintar apenas em dois tons: primeiro fiz o quadradinho todo com a camada bem clara; depois de seco,  pintei o triângulo com a tinta mais densa. Vou colocar timelapses desse processo lá no stories do Instagram (depois estarão no destaque Tintas).

Utilizo o mesmo estojo da Winsor & Newton que comprei há mais de 15 anos, em Portugal. Tirando os acessórios internos, dá para encaixar 44 caixinhas de cores, grudadas no fundo com massinha Multi Tack (da marca Pritt; tem na Kalunga).

Aí vão as cores que estão na minha paleta atual:

paleta_set2018_nomes_g2.jpg

(Legenda das marcas: WN = Winsor & Newton; DS = Daniel Smith; Sch. = Schmincke; NH = New Holland. A guache branca é Opaque White, da Talens, Plakkaatverf Gouache.)

Minha primeira compra de tintas foi feita com base nas sugestões do livro The Big Book of Watercolor. Foi uma boa opção, pois era uma paleta clássica, com cores que remontam às origens da aquarela, como ocre, siennas, umbers, cadmiuns, alizarin, ultramar. A aquisição das demais cores foi feita aos poucos, por demanda de alguma aula que eu estivesse fazendo (como o curso da Anna Mason, que é bem específico, exigindo cores como Scarlet Red, Davy’s Grey e Cobalt Violet), ou por indicação de algum artista amigo ou da internet. (Para ver todos os cursos que já fiz, clique aqui.)

As quatro cores novas estão na imagem abaixo:

paleta_4cores_p

Aproveito para mostrar as fichinhas que faço para cada cor individualmente. Comecei há um ano, inspirada em um perfil do Instagram (não lembro qual, desculpem). Gosto de ver as camadas sobrepostas, ao invés de degradês, e de ter um espaço para anotar as características de cada tinta (nome, marca, tipo, pigmento, transparência). Ter as cores separadas também é ótimo para comparar e/ou aproximar tons para escolher combinações. Cada ficha mede aprox. 5x10cm.

Sobre as quatro tintas novas, meus comentários:

  • Perylene Maroon – vi no atelier da Chiara e adorei o tom, também indicado pela Holly Exley, uma artista cujo trabalho admiro muito.
  • Green Apatite Genuine – indicada pelo Teoh, do Parka Blogs para substituir o Sap Green. Não concordo, mas achei linda: um verde denso e manchado de umber (está rolando uma modinha de aquarela que granula e mancha).
  • Cerulean Blue Chromium- também indicada pelo Teoh para substituir o C. B. normal. Ainda estou na dúvida. Meu original (que acabou) era mais quente e suave; essa versão é mais intensa. Mas ainda bem que comprei: tem Cerulean em quase todas as 50 aquarelas que estou fazendo baseadas no livro do Wil Freeborn!
  • Sodalite Genuine – indicada por vários artistas por ser um pigmento natural granulado. Interessante, mas não mudou minha vida! Me arrependi de não ter comprado a Lunar Black, recomendada no livro do W. F.

Várias das minhas cores do estojo original estão acabando (15 anos depois). Ao invés de substituí-las com tintas idênticas, resolvi experimentar um pouco, mas confesso que me arrependi. Numa próxima oportunidade, vou tentar repor as originais.

Sobre as marcas: comecei com um estojo da Winsor & Newton da linha Cotman, depois passei para o profissional. As tintas são maravilhosas e se adaptam bem ao nosso calor, enquanto algumas Schmincke, apesar de lindíssimas e macias!, derretem. Sobre a marca Daniel Smith, ainda não sei  — são minhas primeiras. Vamos ver se vão passar no teste do verão carioca!

Se vocês estiverem começando agora, não fiquem apavorados com preços nem com a quantidade de opções. Artistas brilhantes trabalham com pouquíssimas cores e fazem obras incríveis. Só me dei conta disso quando comecei de fato a estudar aquarela (apenas de 2015 para cá). A seleção de cores também depende do tipo de assunto que você gosta de pintar.

O importante não é ter muitas tintas, mas sim estudar e praticar!

Obrigada a todos pelos comentários de solidariedade pelo post da semana passada. Recebam meu carinho e abraço afetuoso.

Como diria vovó Trude, que não era minha vó, “cada dia com a sua agonia”. Já estamos de volta nessa sofrência chamada Brasil…

..

7 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-ou-dignas-de-nota da semana:

♥ Sobre cores, para ler e ver: Treasures From the Color Archive, artigo incrível da revista New Yorker sobre história dos pigmentos, escrito pelo historiador !

♥ Para ouvir enquanto desenha ou pinta: o podcast Creative Pep Talk entrevista Fran Meneses (@Fannerd) sobre arte, estilo próprio, síndrome de impostor etc. Está bem engraçada a conversa.

♥ Para lembrar que não existe combinação de cor certa: as ilustrações da Monika Forsberg, embaladas por sua entrevista para o podcast Art for your ears.

♥ Para ver rapidinho: mini-animação (1′) sobre o ponto de virada na vida da artista plástica Kristine Mays! (do Artsy.com, mas recebi a dica do Zine da Sketchbook Skool).

♥ Acabei não resistindo: me matriculei no curso online Watercolor Rules! da Sketchbook Skool. Já assisti aos vídeos iniciais da primeira semana e me decepcionei… São ótimos para quem nunca pegou num pincel, mas básicos demais para quem tem experiência. Se alguém se interessar, aí vai um cupom com 15% de desconto para colocar no momento da compra: SBSFriend15 (válido até 24/09/2018). Uma vez pago, o curso é seu para sempre.

♥ Dica para o final de semana: A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata, filme simpático na Netflix (brasileira, portanto, com legendas!), feito a partir de um romance (que, por acaso, li há alguns anos e passei adiante!).

Ilustração da Mariamma Fonseca (Amma), para não esquecer de compartilhar, milhões de vezes se necessário #elenão, #elenunca!

PS: Desculpem a lista de hoje ser quase toda de dicas em inglês! Acabo frequentando muito esses sites por falta de opção (ou conhecimento) de similares no Brasil. Se tiverem sugestões legais em português, me mandem nos comentários por favor.

Sobre o desenho: Hoje já expliquei tudo no post! Faltou apenas explicar que, depois de pintar, escaneei e editei no Photoshop para ajustar. Depois, fiz uma segunda versão, separando as filas de cores para acrescentar as legendas. Adicionei os nomes das tintas com o editor de fotos Picasa, software que “saiu de linha” da Google, mas que adoro e mantenho instalado no meu notebook (até quando vai funcionar, não sei…).

Sobre outros materiais que utilizo, tem essa página aqui.

Você acabou de ler “Paleta de aquarela atual – 44 cores!“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2018. “Paleta de aquarela atual – 44 cores!”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3HY. Acesso em [dd/mm/aaaa].


10 Comentários

Setembro/2018 e Nossas histórias

set2018_p

“Quero que minha história seja ouvida porque acredito
que podemos criar um mundo melhor se aprendermos
a vê-lo sob diferentes perspectivas.
Diversidade é força; a diferença nos ensina.
A minha história é a sua história.
Esse é o foco que precisamos: conexão.”
(trechos de Hannah Gadsby: Nanette)

Sempre que publico um texto sinto-me num certo limbo, misto de vazio e carne-viva. Terminar artigo, tese, capítulo, até trabalho de curso… Vocês já passaram por isso, né? É como se largássemos uma parte nossa no mundo, que não nos pertence mais. Dá um medo. Na semana passada, essa sensação foi forte.

Então vieram as palavras de vocês. Fiquei emocionada e não consegui responder… Talvez aqueles choros não fossem apenas dos seus donos, mas também meus, de todos nós. No sábado, cada comentário que chegava me fazia chorar um pouco também, aquele tipo de lágrima que não sabemos se é triste, se é feliz, se é o quê. Mas a Hannah explica: é conexão.

Sentir que nossas histórias são ouvidas é o que nos motiva, comove, emociona.

Desculpem o silêncio…

Espero que continuar escrevendo e desenhando seja uma forma de retribuir tantos carinhos e gentilezas que recebo de vocês.

Aí vai Setembro e aqui está o .pdf em alta resolução para imprimir.

Precisei fazer um desenho mais simples esse mês, apesar de ser um dos meus preferidos do calendário. Eu queria ter nascido em Setembro para não ter tanta crise de identidade — sou leonina mas me sinto uma virginiana convicta! (E ainda é o mês da minha avó querida, que dia dez faria 104 anos.)

7 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-hilárias-ou-dignas-de-nota da semana:

♥ Assistimos e amamos: Hannah Gadsby: Nanette, disponível na Netflix. Sem palavras para elogiar o suficiente. Fun fact (como diz a Alice): quando eu era pequena, e já tinha desistido de ser menino, meu sonho era me chamar Hannah.

♥ Para ouvir enquanto desenha: o podcast Art for All dessa semana, com o Danny Gregory falando sobre as delícias e dificuldades de se fazer um diário de viagem com desenhos, aquarelas e mapas.

♥ Para quem está começando na aquarela: uma listinha de vídeos no YouTube com tutoriais bem fáceis de acompanhar.

♥ Li numa newsletter simpática que assino, do blog Vida Organizada: “ninguém disse que eu preciso ser perfeita. Falho como todo mundo. O que estou me permitindo é me sentir menos culpada e aceitando mais que as coisas simplesmente são como são, no momento, e está tudo bem.” (Thais Godinho)

♥ Comecei a seguir no Instagram: a ilustradora polonesa Gosia Herba. Adorei a paleta de cores dela e suas várias ilustrações divertidas (muitas com meu tema favorito: livros).

♥ Para quem quiser acompanhar: estou postando no meu stories do Instagram as imagens do projeto de pintar todos os dias que estou fazendo com base no livro “Learn to Paint in Watercolor with 50 Paitings”, de Wil Freeborn.

♥ Ah, esqueci de divulgar aqui o resultado da doação do livro da Cleonice: apenas três pessoas se inscreveram e o escolhido foi o Pablo Rodrigues! Vou combinar com ele a entrega; e semana que vem anuncio mais um livro!

set2018_id

Sobre o desenho: Paleta de cores inspirada numa bolsinha (tipo necessaire) que ganhei há muitos anos da minha tia Hanny, que usa uma igual (sinto que estamos sempre conectadas por isso!). Adoro como a combinação de cores estranhas (cinza, bege, rosa, laranja e verde escuro) produz uma coisinha tão gostosa de se ver (foto abaixo).

lesportsac_p

Tentei achar os tons certos, mas meu desenho ficou muito mais vermelho do que o original (e acabei acrescentando um azul para não ficar natalino!). Fiz as linhas com uma Pigma Micron preta 0.2, e colori com lápis-de-cor.

Ah, um alerta para quem estiver pensando em investir em lápis-de-cor de qualidade: não comprem os Prismacolors! São macios e com cores intensas, mas a maioria dos meus está toda quebrada por dentro. A embalagem não protege cada lápis individualmente… não sei se os meus quebraram na viagem da compra (há muitos anos). Cada vez que vou usar me irrito de vê-los desaparecer no apontador! Recomendo os Polychromos, da Faber-Castell.

Até semana que vem, amores. ♥

Você acabou de ler “”
Setembro/2018 e Nossas histórias
“”, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2018. “”
Setembro/2018 e Nossas histórias””, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Hz. Acesso em [dd/mm/aaaa].


15 Comentários

Três choros e muitos agradecimentos

imsdragao_pp

Um dos meus rituais de manhã, ao acordar, é abrir a janela do quarto, olhar o céu e desejar bom dia pro mundo.

Depois de tomar um mate e comer alguma coisa, sento para pintar, nem que seja por 15 minutos. A mesa é embaixo da janela, de onde me chegam vários choros…

Do meu prédio, acompanho um processo terrível. Uma das vizinhas, que até ontem era atlética e ativa, está com uma doença degenerativa aguda. Foi perdendo o controle dos movimentos e da mente… Seus sons são de uma dor sem nome, uma mistura de desespero, agonia… nem tenho palavras para expressar. No elevador e na portaria comentamos compungidos sobre os gritos de ontem e os de hoje… Que sensação de impotência, sem conseguir imaginar a dor dos familiares que se revezam em seus cuidados e que, por muitos momentos, nos acalmam com o silêncio que finalmente chega.

Ouço também o choro da Lisa, uma cadelinha jovem que foi adotada pela moradora do primeiro andar. Quando sua companheira sai para trabalhar, a bichinha se esgoela. A rua inteira escuta porque ela sobe na poltrona e uiva alto e sofrido na janela. Os vizinhos se mobilizaram no zap. Uma pessoa reclamou, mas os funcionários e os demais moradores se solidarizaram com a dor da cachorrinha. Nos revezamos para ajudar, veio um treinador para ansiedade, e a Lisa está cada dia mais linda e chorando (um pouco) menos.

Há um terceiro choro, agudo, intenso e forte. É meu velho conhecido: um bebê grita alto em algum apartamento do prédio ao lado. Como podem criaturas tão pequenas produzirem sons tão potentes? Ano passado, havia um bebê sofrido na vizinhança, era difícil. Mas esse meu companheirinho atual está no seu exercício pulmonar saudável. Quer apenas chorar um pouco. Envio boas vibrações do meu coração de mãe: shhh, shhh, shhh, está tudo bem… e ele logo para.

Meu timer toca: está na hora de fechar a aquarela. Lavo os pincéis, o estojo e os potes. Venho aprendendo a deixar tudo limpo para a próxima sessão. É um esforço diante da preguiça e da pressa, mas é um gesto potente. Quando chego do trabalho, as águas limpas me chamam de volta!

imspeixes_pp

O tema do post me levou aos desenhos do dragão e dos peixes. Pensei nessa mistura de dor e cura que é a vida.

Por mais tristes que sejam, os choros que ouço na minha janela estão envolvidos em afetos, rodeados de pessoas que tentam aliviar suas dores. Pra mim, eles também têm funcionado como um alarme de celular, que todos os dias toca com os lembretes:

1. Agradecer por estar viva; 2. Agradecer por meus amores estarem saudáveis e perto de mim; 3. Lembrar de aliviar as dores dos que choram.

7 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-hilárias-ou-dignas-de-nota da semana:

♥ Assistimos e gostamos: Encontrando Forrester (Finding Forrester), um filme sobre escritores, livros, estudos, basquete, fama, anonimato… O ator principal é o incrível Rob Brown.

♥ Descobri e segui: o perfil da Sabina Hahn tem postado trechos sobre história das cores (ver abaixo), ilustrado com imagens bem legais.

♥ Não resisti e comprei: The Secret Lives of Color, da Kassia St Clair. O objeto é lindo mas minha primeira impressão foi de que as histórias são um pouco superficiais. Vou ler e conto para vocês com mais calma.

♥ App divertido de arte: Google Arts Selfie. Você tira uma selfie e ele te mostra retratos parecidos de pinturas. Meus principais resultados seguem abaixo, mas não achei nem um pouco parecidos — e vocês?

081

♥ Cursos online novos me seduzindo (ainda avaliando, principalmente o primeiro): Watercolor Rules!, da Sketchbook Skool; e Watercolor Summit, que me inscrevi (basta colocar o e-mail) para receber três amostras gratuitas.

♥ Dia 21 foi meu aniversário! Recebi três cartinhas das pessoas que mais amo no mundo, desses presentes que a gente guarda para a vida inteira… Também ganhei materiais de pintura da minha mãe, vindos dos EUA por minha tia querida: tubinhos de tinta (Perylene Maroon, Cerulean Blue Chromium, Sodalite Genuine, Green Apatite Genuine), pincéis (2 Winsor & Newton e 1 Neptune) e lápis (2 Col-Eraser, da Prismacolor, 1 Mars Lumograph Black da Staedtler).

Aproveitando o espírito agradecitivo, fiz um cartãozinho no dia do meu aniversário para retribuir as lindas mensagens de parabéns que chegaram via fb/insta/zap. Pintei na terça (21) depois da aula. No dia seguinte, porém, acordei super crítica, achando minha letra infantil, assim como o tema da guirlanda; e ainda super arrependida das cores verde e amarelo, logo em época de eleições, que tosca! Mas o Instagram me mostrou um post bonito, que já não consigo localizar, dizendo que os artistas devem colocar suas obras no mundo, mesmo que não estejam perfeitas (nunca estarão), e que precisam ser humildes para começar tudo de novo no dia seguinte. Obrigada autor desse post, seja você quem for!

kkaniv_p

♥ E para compensar todos os choros das manhãs, enquanto escrevo à tarde, tem um bem-te-vi na árvore da minha janela cantando sem parar, com umas variações tão bonitas! (E minha atenção auditiva veio de ter oferecido essa semana aos alunos — e a mim — aquela aula sobre o poder de escutar.)

Bom final de semana! ☼

Sobre os desenhos: A estátua do dragão e os peixes foram feitos por observação direta em julho/2018 no Instituto Moreira Salles (do Rio), numa sessão de pintura ao ar livre oferecida professora Chiara Bozzetti, do Atelier Chiaroscuro (que voltei a frequentar, viva!). Ambos foram desenhados com canetinhas Pigma Micron 0,2, num sketchbook Fabriano Watercolour Acquarelo (é antigo, mas ressuscitei porque ainda tem folhas em branco). As cores foram feitas no local com tintas de várias marcas, mas principalmente Winsor & Newton. Em breve vou fazer um post sobre as cores que tenho no estojo.

O cartão de aniversário foi feito no verso de um papel Canson XL Aquarelle. Comecei com um rascunho do círculo e das letras, depois fiz as aquarelas à mão livre, ajustando conforme iam saindo.

Você acabou de ler “Três choros e muitos agradecimentos“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2018. “Três choros e muitos agradecimentos”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Hk. Acesso em [dd/mm/aaaa].