Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


29 Comentários

Vergonha de quê? Feliz 2020!

praia1_p

Pessoas queridas, que saudades de vocês, de compartilhar, desenhar e escrever! ♥

2019 foi um dos piores anos da minha vida, não vou mentir. Por pouco não quebrei as regras do blog e vim me desesperar em público. (Deixa passar a tempestade que darei um jeito de rir das desgraças, como no post dos 300 dias em obras, e ter forças pra contar.)

Primeiro, vamos falar de vergonha? Sabem aquela aula que a gente falta muito e morre de medo de voltar? E aquela ansiedade pra responder a mensagem da amiga que está há meses aguardando no zap ou no e-mail? E a vontade de sumir depois de pagar uma fortuna na academia de ginástica e não frequentar? E a coleção de cadernos em branco, as tintas na embalagem, a ida ao parque adiada, aquele almoço com o colega de faculdade que não sai nunca, a tia idosa esperando a visita, o artigo da prima que não deu pra ler…

Quanto mais o tempo passa, mais vergonha! E junto vem a preguiça… Vocês também se sentem assim?

Na teoria, o antídoto é fácil. Recito sempre para os meus filhos quando eles alegam vergonha por algo que aconteceu na escola, por um erro na prova, um mal entendido com os amigos, um compromisso esquecido, uma espinha na bochecha:

“Vergonha? Vergonha a gente só deve ter de matar, roubar ou fazer mal a alguém.”

Nunca esqueci dessa frase, que ouvi do recém-falecido ator e diretor Jorge Fernando. Foi no final dos anos 1980. Eu tinha 20 anos e andava no mundo do teatro. “Jorginho”, como era chamado, tinha mania de cumprimentar os amigos com um selinho na boca. Saía tascando beijo em todo mundo. Uma dia, um homem reclamou, num tom carinhoso: — Você não tem vergonha, Jorginho?

Ele respondeu: “– Vergonha? De beijo, de amor, carinho? Nunca! Vergonha a gente tem de matar, roubar ou fazer mal a alguém.”

Achei tão bonito, tão simples. Lembrando: estávamos no final dos anos 1980, a epidemia da Aids no auge da fatalidade, e o Jorginho beijando inclusive os amigos com HIV.

Hoje, pra ser sincera, acho que até as vergonhas do Jorginho são relativas. Andei lendo livros abolicionistas e entendendo que vergonha é uma sociedade que tem como projeto o extermínio e a prisão dos pobres, onde uns têm tanto e outros sentem fome, onde há os que pagam plano de saúde e os que morrem na fila do hospital. Vergonha é não lutar por um mundo melhor para todos e não apenas para si. Vergonha é não saber amar e não querer aprender; é dizer “te amo”, “estou com saudades”, e agir para machucar.

Então, chega de drama. Todo esse post era só para dizer que estou de volta, sem vergonha de admitir que estive mal, e ainda estou capenga, mas de pé. Algumas coisas pra finalizar:

♥ Muito, muito obrigada, por todas as mensagens carinhosas, de força e incentivo para a volta. Mesmo quem não me conhece pessoalmente escreveu sentindo que havia algo errado e me desejou sorte. Que todo esse afeto volte em dobro pra vocês! Obrigada.

♥ Os calendários do mês completaram 6 anos sendo publicados sem interrupção em outubro/2019. 6 anos x 12 = 72 meses! Foi um desafio incrível que, por ora, resolvi parar, pelo menos com desenhos novos. Além do trabalho enorme, cada vez estávamos utilizando menos os nossos, pois as “crianças” aqui de casa cresceram. Talvez me dê saudades, não sei…  Minha ideia é fazer todos do ano de 2020 reaproveitando edições anteriores. Posto em breve!

♥ Há muito tempo, tenho vontade de fazer outras coisas para vocês imprimirem, como marcadores de livros e cartões. Vou tentar publicar pelo menos uma dessas por mês pra compensar a falta dos calendários. O que acham?

♥ Resolvi abolir a periodicidade semanal, publicando mais quando tiver vontade e assunto. Li 35 livros e dei mais de 250* horas de aulas em 2019 — tenho tanta coisa para compartilhar e escrever! O maior desafio é ilustrar tudo isso.
(* Corrigido pois tinha escrito 2500! 😉

♥  Para ajudar nos desenhos, consegui finalmente comprar um Ipad com a canetinha Pencil. O melhor é que foi do jeito que eu queria e podia: de segunda mão, vindos de uma amiga querida, por um preço das deusas. Uma das alegrias desse início de ano em recuperação. Obrigada, Bia!!

♥ Que em 2020 possamos:

• Encontrar e viver “todo amor que houver nessa vida”, como escreveu Cazuza.

• Descansar sem culpa, como essas moças que observei na praia. Que dificuldade eu tenho de parar de trabalhar ou de fazer tarefas em casa. Nesse dia, acabei feliz depois de ser arrastada pra areia pela Alice, linda e muito mais sábia do que eu.

praia_p

• Desenhar, criar, ler e escrever mais; ficar menos tempo nas telas. Que diferença o corpo das pessoas ao sol e o das que estão grudadas no celular, mesmo na praia. Os olhos vidrados, os ombros tensos, a necessidade de pouca luz. Viramos vampiros, gente, eu incluída.

praia34_p

• Compartilhar, cantar, lutar, sorrir. Consumir menos, sermos mais solidários.

• Nos inspirar com e pela arte, apesar de tudo, como nos diz Toni Morrison:

“This is precisely the time when artists go to work. (…) I know the world is bruised and bleeding, and though it is important not to ignore its pain, it is also critical to refuse to succumb to its malevolence. Like failure, chaos contains information that can lead to knowledge, even wisdom. Like art.” (Toni Morrison*)

[Tradução aprox.: “Este é exatamente o momento em que os artistas precisam trabalhar. (…) Sei que o mundo está machucado e sangrando e, embora seja importante não ignorar sua dor, também é fundamental se recusar a sucumbir à sua malevolência. O caos, como o fracasso, contém informações que podem levar ao conhecimento e até à sabedoria. Como a arte.”]

• Feliz 2020 pra todos nós! ♥

Sobre a citação: Li a citação da Toni Morrison pela primeira vez no livro Keep Going, de Austin Kleon. Depois localizei a fonte completa, um artigo de 2015, disponível aqui [em inglês].

Sobre os desenhos: Linhas feitas por observação direta na praia do Leblon, perto do Baixo Bebê. A canetinha utilizada foi uma Muji preta 0.25, que esqueci que não era à prova d’água (daí as manchas nas cores mais claras). O caderno foi um bloquinho Hahnemühle como esses aqui. Adicionei as cores em casa, com as aquarelas que estão nessa paleta. Depois escaneei e limpei as manchas do papel no Photoshop. Minha preferida foi a primeira, não tanto pelo desenho, mas pela alegria da jovem que abriu um sorriso ao ver que o namorado se aproximava. O amor vivido, lindo! ♥

Você acabou de ler “Vergonha de quê? Feliz 2020!“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Vergonha de quê? Feliz 2020!”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Nj. Acesso em [dd/mm/aaaa].


4 Comentários

Agosto/2019 – Pedacinhos de memória e afeto

ago2019_p

Calendário de Agosto de 2019 e .PDF para imprimir feitos!

Tentei caprichar pra vocês, gostaram? As imagens são todas inspiradas em bolsinhas, sacolas e estojos que tenho de verdade. Esse é mais ou menos o meu acervo inteiro, fora uma bolsa preta que uso todos os dias.

Os tamanhos estão fora de escala porque tive que adaptar aos espaços do desenho. Cada uma tem sua história, bem no espírito de uma aula lúdica que expliquei aqui.

Das 22 peças, só 5 não foram presentes! Minhas preferidas são as herdadas da minha avó: a mini mochilinha Kipling verde e a mini bolsinha amarela eram de uso dela, até os seus 98 anos. A bolsa rosa de alça bem comprida ela me deu há muitos anos. É de feltro, com umas flores bordadas, uma coisa que eu nunca compraria mas que aprendi a adorar.

A bolsinha porta-moedas com um símbolo da Suiça foi presente da minha tia-avó, para quem comecei a escrever cartas desde que me entendi por gente, um amor gigante. A necessaire em formato de xícara de chá veio da amizade mais antiga, desde os 14 anos, uma amiga com quem venho trocando cartas infinitas a vida inteira.

As duas bolsas coloridas de alça curta à direita são do Nepal, presente da minha ex-sogra.  São como colchas quilt, de tecidos emendados, com bordados por cima. Pequenas obras de arte! O lápis-estojo veio de Portugal, esse lugar da saudade do Ju e que sintetiza tanto nosso amor mútuo e pela escrita. Os panos enroladinhos são guarda-pincéis, ambos presentes de amigas queridas. Como a bolsinha transparente (que veio numa compra de materiais da Winsor & Newton), remetem à paz da pintura. 

A antropologia está na sacolinha da Reunião da ABA de 2006, em Goiânia. Veio com um tecido de grafismo indígena e é o meu brinde de congresso favorito até hoje. Por estranho que pareça, tem vida acadêmica também na bolsa roxa, presente de uma amiga guru que ficava hospedada na nossa casa quando vinha ao Rio se enfurnar nas bibliotecas e no mundo do século XIX. 

E por aí vai… São pedacinhos de memória e afeto.

A maioria está bem usada e gasta, mas minha vontade de comprar coisas novas é zero. Podem me bombardear de anúncios. Estou vacinada. Já tenho mais do que o suficiente para viver (embora as camisetas estejam furando cada vez mais rápido, como já conversamos, socorro!).

Nossos vazios interiores não vão ser preenchidos por coisas, nunca. Cantar com a Alice, desenhar com o Antônio, trocar com os amores e amigos, viver com os livros, as tintas e os alunos por inteiro. Reconhecer a beleza das nossas memórias, mesmo as rasgadinhas e doídas, cuidar das plantas, dos bichos e das pessoas. É nisso que tenho me apegado.

Li essa semana que, na véspera da Segunda Guerra Mundial, Virginia Woolf se desesperava ao ouvir os discursos racistas e fascistas de Hitler no rádio. Seu marido a acompanhava, horrizado. Até que um dia, Leonard Woolf se recusou a escutar. Preferiu ficar no jardim, plantando suas flores, com esperança de que iriam florescer por muitos anos e, até lá, Hitler já estaria morto.

Plantemos flores, conhecimentos, redes solidárias feitas de gentes. Sobreviveremos aos facínoras do nosso tempo.

Fonte: A historinha do casal Woolf está na página 197 do livrinho “Keep Going”, de Austin Kleon, e foram originalmente contadas nas memórias de Leonard Woof, “Downhill All the Way”. Acabei não resistindo comprar esse livro porque tenho ouvido entrevistas com o autor que é um produtor incansável de diários, prática que retomei nas últimas semanas. Recomendo esperar a tradução, que com certeza virá pois é um desses best-sellers de auto-ajuda para artistas. O primeiro dele, “Roube como um artista”, foi publicado no Brasil pela Rocco. Gostei mais desse último, mas por favor, gente, não saiam esperando grandes profundidades: é uma obra bem modesta, que se lê em poucas horas.

Sobre o desenho: Desenhei observando com canetinha de nanquim permanente Unipin 0,2. Depois colori com vários lápis de cor e fiz alguns detalhes com canetinhas Pigma Micron coloridas. Acho que a base do calendário ficou mais nítida porque venho utilizando um scanner-impressora novo! Tinha comprado em fevereiro (!) mas só em junho tive fôlego para instalar, acreditam? É uma multifuncional Epson L396, sugestão da minha professora de Photoshop. O scanner é mil vezes melhor do que o da minha antiga e basiquinha HP. A impressão ainda não testei muito. É com EcoTank, ou seja, com quatro cores separadas, o que supostamente será uma economia a longo prazo. Mas achei a impressão rápida em preto bem fraquinha e um tanto lenta. Só fica boa se colocar o setup na qualidade normal ou ótima. Enfim, só testando mais. Depois conto aqui.

Boa semana! ♥

Você acabou de ler “Agosto/2019 – Pedacinhos de memória e afeto“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2019. “Agosto/2019 – Pedacinhos de memória e afeto”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Lb. Acesso em [dd/mm/aaaa].


3 Comentários

Férias de professora

feriasprofessora_p

Quem reconhece uma sacolinha lotada assim, levanta a mão! Taí a imagem que sintetiza as minhas “férias” e a de quase todos os professores que conheço. Pilhas de trabalhos pra corrigir em casa, e a ilusão de que vamos terminar artigos, entregar pareceres, enviar relatórios, marcar orientações e, quem sabe, dar um gás na pesquisa e até uma arrumada nos programas de curso do semestre que vem. [Pausa para suspirar.] Alguém se identifica?

Confesso que pesquei essa listinha de um amigo querido, que me mandou um áudio comentando tudo que ele tinha pensado em fazer nesse recesso da universidade. Ri sozinha de nervoso ouvindo a mensagem no zap. Pessoa mais doida é professor… Não sabe fazer conta da imensidão do próprio trabalho, não sabe dizer não pros textos, pros alunos, pros amigos que pedem pareceres, nem pra si mesmo…

A maioria está assim por conta da precarização do trabalho, claro. O que mais tem é professor com 30 turmas em três empregos. Mas nem todos!

Muitos, como eu, se atolam porque lidam com assuntos e causas que os apaixonam. Só que a vida é como um grande barco de restaurante japonês: para comer as peças que mais gostamos, temos que entubar um monte de kani.

E olha que eu me acho super organizada. Tenho um sistema com todas as informações sobre o que preciso fazer, quando, onde e como. Sei quanto tempo levo nas tarefas e quais compromissos não posso ou não quero aceitar. Tenho clareza sobre as minhas prioridades — filhos, depois eu mesma (amor/saúde/arte incluídos), aulas e alunos, atividades da universidade em geral, a casa e o mundo.

Mas a vida e a antropologia estão aí pra nos lembrar que os laços obrigam. Se amamos nossos bichos, nos cabe cuidar. Se vamos publicar num livro da Routledge (sim, viva!), precisamos fazer o parecer que nos pedem. Se nos dedicamos às aulas, temos que corrigir os trabalhos à altura. A cada “sim”, temos uma dívida em potencial cozinhando. É preciso levar as obrigações a sério, já dizia a saudosa professora Lygia Sigaud.

A doença da Lola me impactou, alguns alunos atrasaram… e a sacolinha cheia de trabalhos foi ficando esquecida num canto. De repente, me pareceu tão bonita, recheada assim. Precisei desenhar e pintar antes de começar a corrigir. Justifiquei pra mim mesma que estava tudo bem, que o prazo ainda não chegou, que tem trabalhos vindo por e-mail ainda, porque foi pro brejo a minha rigidez de professora jovem e determinada. Como diria meu ex-terapeuta, “– É uma vitória quando você chega atrasada, Karina.” Taí o motivo do atraso, alunos queridos. Fiquei pintando os trabalhos de vocês e escrevendo post. Tudo em nome da arte, porque só a arte e os estudos nos salvam.

A pequena “natureza morta” que ilustra esse post une essas duas coisas: arte (a sacolinha preta foi presente do Simpósito anual dos Urban Sketchers em Manchester, de 2016, onde dei uma palestra); e estudos (os trabalhos de duas turmas maravilhosas de 2019-1, um semestre em que me dediquei a estudar e me renovar). Juntos, esses objetos me lembram do motivo de eu estar aqui pensando, escrevendo e desenhando em público, enfrentando a timidez e a preguiça. rs

Obrigada pela companhia, pessoal. Boa sorte e muita tranquilidade para todos que estão às vésperas das seleções de mestrado nesse final de julho. Meu coração está com vocês. ♥

PS: As notas de já foram lançadas, ufa! E pra quem gosta do tema #vidadeprofessora, tem esse post Sete coisas invisíveis na vida de uma professora e esse Quinze coisas para fazer na volta às aulas como professora, além de todos os marcados com a #mundoacademico.

6 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-ou-dignas-de-nota — Amo blogs e newsletters. Aí vão algumas que são ótimas companhias para ler nos momentos em que vocês precisarem de bons conteúdos pra se distrair, sem precisar recorrer às redes sociais:

* Duas Fridas: newsletter do blog Duas Fridas da Helê e da Monix. Sempre com temas ótimos, bom humor e com lembranças maravilhosas de posts passados que me fazem sorrir e esquecer o caos dos tempos atuais.

Ainda não acabei de pensar nisso: newsletter do blog Papiro Papirus, da Rita Caré, portuguesa, artista, bióloga, comunicadora, cheia de humor e maravilhas a nos deliciar com suas descobertas e reflexões.

Eva-Lotta: newsletter do blog da ilustradora alemã Eva-Lotta Lamm que ama o mundo das anotações desenhadas, aprender novas habilidades, pensar o cotidiano de forma lúdica e ensinar. Uma lindeza! (em inglês)

Austin Kleon: newsletter semanal do blog do autor que descobri por meio da Rita Caré (acima) — obrigada, Rita! Traz sempre uma listinha de dez sugestões de leituras, links, imagens interessantes para o autor. Voltada para quem ama livros, arte, educação: ou seja, nós! (em inglês)

Viktorija Illustration: newsletter mensal do blog da ilustradora Viktorija, baseada em Londres. Traz propostas de exercícios, inspirações, dicas e sugestões de materiais de arte. É bem despretenciosa e bonitinha. (em inglês)

• E como faço para saber dessas coisas? Utilizo um app de blogs chamado Feedly, onde “assino” os blogs que gosto, separados por assuntos. Leio no notebook, mas é também o meu app de celular preferido, seguido do Kindle, cheio de amostras de livros que não vou comprar!

E vocês, quais newsletters me indicariam?

Sobre o desenho: Fiz primeiro um rascunho rápido com lapiseira observando a sacola cheia com os trabalhos de uma turma, apoiada na pilha de trabalhos da outra (o caderninho vermelho foi feito por uma aluna super querida da aula de antropologia e desenho desse semestre, uma graça).  Depois desenhei por cima com caneta de nanquim permanente Unipin 0,2, em verso de um papel do bloco Canson Aquarelle XL (capa turquesa). Depois apaguei o lápis e pintei com vários materiais: a sacola preta e o caderno vermelho foram pintados inicialmente com uma guache acrílica (Acryla Gouache, da Holbein, que ganhei ano passado e só agora comecei a experimentar); as letras brancas na sacola foram feitas no dia seguinte (para a base secar bem primeiro!) com caneta Gelly Roll 0,8 branca da Sakura. O restante foi colorido com lápis de cor (os detalhes dos trabalhos) e aquarela (especialmente as sombras).

Você acabou de ler “Férias de professora“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2019. “Férias de professora”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3L4. Acesso em [dd/mm/aaaa].