Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


1 comentário

Dezembro/2017

dez2017p

Pessoas queridas, aí vai o calendário de dezembro/2017. Nem acredito que é o quinto mês de dezembro desde que comecei a postar!

A inspiração veio da chuvinha que começou a cair aqui no Rio de Janeiro. Minhas memórias de infância também são de tempo molhado na época do Natal. Como tenho saudades da casa da minha vó, que tinha um jardinzinho na frente, onde eu e meus primos brincávamos na chuva.

As cores não estão muito natalinas. A culpa é do meu caderninho atual. Posto mais imagens dele na semana que vem (e prometo aumentar as anteriores). Eu estava tão preocupada em terminar o desenho hoje que esqueci de colocar alguma imagem nos dias de Natal e Ano Novo. Só depois de escanear é que me dei conta. Daí fiz os presentinhos e os fogos num papel à parte e acrescentei no Photoshop.

Para imprimir, abram o calendário em tamanho grande em .pdf ou cliquem na imagem acima.

Bom final de semana! ☼

Sobre o desenho: As linhas do desenho do calendário foram feitas com caneta Pigma Micron azul 0,2, depois coloridas com canetas pincel Tombow (azuis) e Faber-Castell pitt brush (amarelo). Foi bem difícil chegar aos tons próximos do original porque o scanner acaba com os azuis claros e escurece os amarelos. Nessas horas eu penso “ainda bem que não sou designer”! Ou não, né? Se eu fosse, talvez não sofresse tanto com o Photoshop. Eu posso dar o passo-a-passo de como escaneio e limpo as imagens se vocês tiverem interesse. Sei que a maioria dos leitores vem aqui para os temas acadêmicos, mas se tiver alguém curioso em Photoshop-amador me avise!

Anúncios


4 Comentários

Novembro/2017 e Campanha de doações!

nov2017p

Novembro chegando!! O tema do calendário é para apoiar a campanha do querido Rodrigo Mello Barbosa para comprar fraldas para crianças com necessidades especiais da Obra Social Dona Meca. Ele conheceu a instituição através de uma das nossas heroínas em comum, a advogada Silvana do Monte Moreira, uma mulher fantástica, que vem trabalhando intensamente para ampliar a adoção de crianças no Brasil.

No ano passado, a Dona Meca avisou ao Rodrigo que não queria presentes no Natal, e sim fraldas geriátricas tamanho P para os jovens que abriga. Ele arrecadou 405 pacotes, além de 35 caixas de luvas. Além desse abrigo para crianças e jovens com muito comprometimento (daí o uso de fraldas), Dona Meca mantém outro com bebês e crianças pequenas em espera de adoção. Além disso, há um centro de tratamento que atende centenas de menores — um espaço muito especial para a população que precisa desse tipo de cuidado.

Qualquer valor é bem vindo!! Vale um pacotinho de fraldas (cerca de R$14 reais) ou o quanto vocês puderem colaborar. Cada doação ajuda muito. Também peço que compartilhem esse post (ou o do Rodrigo), pois muitas pessoas estão com vontade de doar, mas não encontram uma causa séria — essa é a oportunidade perfeita!

No decorrer e ao final da arrecadação, o Rodrigo vai prestar contas e mandar fotos. Quem quiser ir junto no dia da entrega, será muito bem-vindo.

Para conhecer o Rodrigo, vejam a foto abaixo e a página dele no Facebook.

Para conhecer a Obra Social Dona Meca: osdm.org.br.

Vocês podem doar com cartão de crédito pela campanha no Vakinha ou depositar diretamente na conta:

Rodrigo de Mello Pires Barbosa
Bradesco
Ag 1785 Cc 144445-0
CPF 089.590.907-35

rodrigomello

Rodrigo Mello e as fraldas doadas em 2016 para os jovens com necessidades especiais atendidos na Dona Meca — a meta é chegar a 1000 pacotes em 2017!

Sobre o calendário de novembro — Para imprimir o calendário, vocês podem baixar o .pdf (tamanho grande) ou clicar na imagem que abre o post em .jpg (tamanho pequeno). Quis fazer algo que simbolizasse essa corrente de ajuda mútua que estamos tentando construir. As mãoszinhas espalmadas são de todos nós. Também quis remeter ao símbolo Hamsá, que significa boa sorte para muitas culturas do Oriente Médio, um amuleto adotado por muçulmanos, judeus e outros povos. Não custa sonhar!

Sobre o desenho — Fiz as mãos com caneta de nanquim descartável Pigma Micron 0,2. Depois colori com diversos marcadores brush (Faber-Castell Pitt, Koi Coloring Brush e Tombow). Esse tipo de caneta não oferece muito controle de como a cor vai sair; mas compensa pela rapidez e por se manter vibrante num papel de impressora comum, que é o tipo que eu uso nesses calendários.

Obrigada desde já, pessoal — vambora! ♥

Você acabou de ler “Novembro/2017 e Campanha de doações!“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Novembro/2017 e Campanha de doações!”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3t9. Acesso em [dd/mm/aaaa].


6 Comentários

Outubro/2017 e abraço coletivo

out2017p

“I can’t change the way you feel. But I can put my arms around you…” (Protection, Massive Attack)

Não posso mudar a maneira como você se sente, mas posso te abraçar… te aconchegar em meus braços…

Ai, não sei traduzir direito, mas amo essa música! Anotei os versos para compartilhar com vocês faz um tempinho e nunca chegava a hora. Isso de só fazer post sério está acabando comigo!

Por hoje, queria compartilhar essa ideia: que a gente não tente anular os sentimentos dos outros; que a gente possa abraçar e acolher quem estiver precisando.

Mas, cuidado, abraço-alert: não adianta querer abraçar o mundo! É só um abracinho de cada vez.

Ideias? Essa semana, consegui abraçar assim: dei um guardanapo colorido de presente para minha mãe; achei um tempinho para fazer uma receita nova com a Alice; fui aos Correios para o Antônio; comprei frutas para os funcionários do meu prédio; respondi vários Whatsapp atrasados com carinho; liguei para uma amiga que estava precisando; doei reais para duas campanhas solidárias na internet; ajudei alguns alunos que me procuram pelo Facebook. Sim, eu sei, não é muito, não é super relevante, mas foi o meu possível.

Ah, e também fiz o calendário de outubro adiantado! Isso conta?? Aí vai para vocês imprimirem! Tem a versão em melhor qualidade em .pdf ou a menor em .jpg (cliquem na imagem acima). Depois me digam se a impressão em casa ficou boa.

O tema surgiu da leitura da autobiografia da Agatha Christie (para quem não viu, escrevi este post e este). Ao procurar imagens das escavações sobre os Assírios, achei um desenho italiano, inspirado em uma ruína de mais de 2000 anos A.C. Aliás, já encomendei na Estante Virtual o livro dela sobre arqueologia que vocês me indicaram. Quando chegar eu conto mais.

Florzinhas no dia 12: porque é feriado no Brasil. E nunca é demais lembrar: outubro é o mês da prevenção do câncer de mama! Meninas, já fizeram seus exames anuais? Seus auto-exames mensais? Mais informações aqui.

7 Coisas impossivelmente-legais-bonitas-interessantes-hilárias-ou-dignas-de-nota para se distrair na internet, sem academês:

* Documentário sobre a Lady Gaga na Netflix. Dá para ver com crianças acima de dez/doze anos.

* Descobrimos Sessão de Terapia, no Now/Net. Só para maiores de 16, pelos temas mais densos e complicados.

* MasterChef Profissionais, Segunda Temporada. Como disse um amigo no Facebook, demorei, mas finalmente descobri a graça desse programa! A Alice insistiu tanto que agora estamos os três viciados, vendo as edições antigas no Youtube.

* Vídeos sobre ilustração, pintura e a vida em geral da chilena Fran Meneses, morando atualmente em Hastings, Inglaterra. Color-alert: só para quem gosta de rosa! (Em inglês, com legendas em espanhol.)

* Vídeos sobre aquarela, vida de ilustradora e veganismo da inglesa Holly Exley. Os vlogs variam muito; alguns super legais, outros nem tanto. (Só em inglês.)

* Solução para não se deprimir no Facebook: colocar estrelinha azul (para ver primeiro) em páginas que só mostram generalidades tipo Artsy, Ted-Ed, Science, The Dodo, Tasty, Brain Pickings, ah, e “Borges, o Gato”! Todas as polêmicas do momento ficam distantes que é uma beleza! De quebra, não dá vontade de entrar lá.

* E a música citada no início, do Massive Attack: Protection.

Esses links vão para as amigas virtuais mais gentis do mundo, Ana Regina Machado e Teresa Ogando, que comentou que sentia falta deles. ♥ Aí estão, querida! ♥ Acho que nunca compartilhei tantas intimidades como hoje! 😉

Sobre o desenho: Linhas feitas no calendário já impresso (em papel comum) com canetinhas de nanquim permanente Pigma Micron números 0,1, 0,4 e 1,0 (quanto mais fina, mais dá para fazer os detalhes internos). Depois colori com marcadores. Utilizei caneta pincel Koi brush da cor Vermillion para as partes vermelhas; e caneta pincel Zig Art, da Kuretake n.63 para as partes azuis (só tenho essa cor dessa marca). A Koi brush está sendo vendida em algumas papelarias brasileiras — a Papelaria Botafogo aqui no Rio está vendendo. As cores são lindas, mas ainda prefiro as Tombow. Pena que todo esse material é tão caro e nunca temos todas as cores que existem lá fora.

Você acabou de ler “Outubro 2017 e abraço coletivo“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Outubro 2017 e abraço coletivo”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: http://wp.me/p42zgF-360. Acesso em [dd/mm/aaaa].


14 Comentários

Setembro/2017 – Pensando em desistir

set2017p.jpg

Querida amiga,

toda força do mundo pra você. Eu também já quis desistir muitas e muitas vezes. Agora em agosto, inclusive, quase joguei meu projeto no lixo. Os prazos deixam a gente em dúvida de tudo, até do sentido do nosso próprio trabalho. Já aconselhei aqui o truque de produzir um texto como se estivesse escrevendo uma carta para uma pessoa querida. Conta a tua história, de vez em quando mete uma piada no meio. Tenta rir de si mesma. Esse é o único atenuante que funciona, pelo menos pra mim.

Às vezes, essas paralisias são fruto do excesso de importância que damos ao nosso mundinho. Melhor pensar como você mesma disse outro dia: trabalho acadêmico pode ser como lavar louça. Podemos seguir acumulando pratos, conhecimentos, palavras e deixando o mundo girar aos pouquinhos. A experiência de fazer um mestrado é só para você ter uma experiência de fazer um mestrado. Não é para revolucionar a ciência. Aliás, que bom! Pensa nas pessoas que querem “revolucionar” alguma área e veja como muitas delas se tornam arrogantes e messiânicas!

Quanto a passar um mês sem conseguir escrever, bem-vinda ao clube, querida. Você, Weber, Malinowski, eu, Chris, Dani, todos já passamos por isso e nos martirizamos. Escreve um diário, junta com a escrita da dissertação, mistura tudo isso, depois edita. Às vezes a gente precisa de 29 dias sem escrever uma linha e depois um dia escrevendo tudo — era assim que o Oliver Sacks produzia! Vários escritores já passaram por isso. é humano. A gente não é computador que realiza x tarefas por dia.

Uma coisa que faz falta no ensino da pós-graduação é mostrar aos alunos que as leituras e conhecimentos que aprendemos precisam de tempo para amadurecer. Nosso pensamento é que nem fruta. Pode parecer bonito, mas não estar maduro. Pensar sobre as coisas e escrever sobre elas demanda da gente uma energia enorme; tipo gravidez, amamentação, sexo, necessidades fisiológicas, sono… nada disso é simples nem automático, embora seja “natural”. Precisamos de um tempo, um ritmo, um calor, uma música, um bem-estar qualquer dentro da gente que impulsione.

Abraça teus amores, humanos e bichos, dá uma volta no parque. Escreve primeiro, desiste depois. Pensa assim: vou me livrar logo dessa dissertação e depois vou desistir da vida acadêmica. Só o fato de decidir desistir já vai tirar um peso enorme (tipo, vale qualquer coisa, certo?). Daí, quando acabar a dissertação, você pensa se quer desistir mesmo. Se sim, ok. Terá encerrado um caminho com a sensação de dever cumprido. Se não, ok também. Irá partir para o doutorado com uma experiência diferente pra te apoiar nos momentos difíceis. No entanto, se estiver impossível continuar do jeito que está, pede uma pausa, tranca, respira, busca ajuda, porque tudo tem um custo, e você é que sabe o seu. Só não se machuca no caminho, porque sua vida é muito, muito,mais importante do que qualquer trabalho.

♥ te admiro,

K.

Agosto foi mês de voltar de férias, sentir frio, ficar deprimida e cumprir prazos chatos. Felizmente, setembro chegou! Descobri que 21 é o dia da árvore, daí o tema do calendário.

A inspiração inicial para as formas veio dessa ilustração. A qualidade não está muito precisa porque usei marcadores em papel comum. A vantagem é que é bem mas rápido de colorir do que o lápis-de-cor. Esses desenhos têm me feito sonhar com um estojo gigante de Copic markers — é baratinho… quase o preço de um notebook!

Aí vai o calendário para imprimir: tem versão grande em .pdf ou em .jpg (cliquem na imagem acima). Depois me digam se a impressão em casa melhorou com o arquivo maior!

Sobre o desenho: Fiz primeiros as manchas de cores com marcadores Tombow brush e Sakura Koi Brush. Apenas o verde claro foi feito com lápis-de-cor Primalo Caran D’Ache. As linhas foram feitas com canetinhas Staedtler triplus fineliner e Graphik line maker da Derwent.

Você acabou de ler “Setembro/2017 – Pensando em desistir“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Setembro/2017 – Pensando em desistir”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: http://wp.me/s42zgF-set2017. Acesso em [dd/mm/aaaa].


4 Comentários

Agosto/2017 – Aconchego

ago2017p.jpg

Pessoas queridas, aí vai o calendário de agosto! Demorou a sair porque eu estava sem tema… até que minha querida mãe sugeriu “aconchego” e me vieram esses novelos de lã. Minhas melhores lembranças da vida são de aconchegos: de mãe, de vó, de tia-vó, de titia, essas quatro mulheres maravilhosas com quem tive a sorte de me aconchegar desde o dia 21 de agosto em que, relutante, nasci.

Para comemorar, além da imagem acima, queria deixar aqui os links para arquivos grandes, que permitem imprimir com mais qualidade. Podem clicar para obter a imagem em .jpg ou em .pdf.

Me digam se a impressão ficou melhor! Isso porque mês passado fui imprimir do blog para testar e achei que ficou ruim se comparado com o original. Já que é um presente meu para vocês, prefiro que seja bem-feito! (Só peço que não façam uso comercial da imagem, claro.)

Semana que vem, volto aos posts!

Que possamos ter um agosto aquecido com prazeres simples. Bora doar casacos, cobertores e meias para quem precisa. ♥

Sobre a imagem: As cores dos novelos foram feitas com canetas pincel Tombow e Koi brush Sakura, inspiradas na paleta da artista Kate Pugsley (tem no Instagram). As linhas fiz com canetinhas Pigma Micron tamanhos 0,2, 0,1 e 0,05 (quanto mais clara a cor, mais fina a caneta).

Você acabou de ler “Agosto/2017 – Aconchego“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Agosto/2017 – Aconchego”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: http://wp.me/p42zgF-2yl. Acesso em [dd/mm/aaaa].


6 Comentários

Julho/2017 e as fascinantes histórias da etnobotânica

jul2017p

“Plantas e civilização: as fascinantes histórias da etnobotânica” foi o melhor livro de não-ficção que li em 2017! O Luiz Mors Cabral é um narrador fantástico, sedutor, bem humorado, daqueles que incluem detalhes incríveis na medida perfeita. Seu objetivo é a prosa científica clara e precisa, sem ser simplista. São 18 capítulos que misturam sua vida pessoal e acadêmica com as aventuras das plantas mundo afora, numa viagem pelo tempo e por dezenas de países, populações e bibliotecas.

Para quem, como eu, ama aprender, o livro é um achado! Não é todo dia que podemos dizer: aprendi novas formas de olhar o mundo. Ir à feira nunca mais será a mesma coisa! As maçãs, hoje tão inocentes e docinhas, quem diria, têm todo um passado a esconder. Muito azedas e próprias para fabricar bebidas alcóolicas, desceram tão baixo na reputação das frutas, que tiveram que passar por um banho de marketing, para se livrar da fama de degeneradoras de lares nos Estados Unidos.

E desenhar um coração, nosso emoji-master ♥? O Luiz nos conta que tudo começou com o laserpício, uma erva medicinal utilizada no século V a.c., na região de Cyrene (atual Oriente Médio). Era tão famosa por suas propriedades contraceptivas, que cunharam-se moedas em sua homenagem utilizando uma marca gráfica que simbolizava a vagem dessa planta, num formato que, aos olhos de hoje, perceberíamos como um “coração”. Vegetal, sexo, amor, coração — taí a história da “maior contribuição de uma planta ao imaginário humano”!

Um aspecto adorável da narrativa é o entrelaçamento da vida do autor com as pessoas e situações que levam às suas buscas na etnobotânica. Seu avô, sua família, seus amigos, suas aventuras de infância e adolescência — tudo isso vai se transformando em história, daquelas que nos levam a virar as páginas, sem esforço. Assim, por exemplo, entramos no Museu Van Gogh, e descobrimos uma planta na mão do Dr. Garchet (várias vezes retratado pelo amigo pintor). Era um tipo de digitalis, na época muito utilizada para tratar distúrbios psiquiátricos, mas com efeito colateral de provocar alterações na percepção visual, da intensidade extrema à criação de halos, além de uma possível intoxicação que pode ter exacerbado a depressão de Van Gogh.

Nada disso é contado no tom de um funcionalismo rasteiro. Ao contrário, o autor é cuidadoso ao extremo, sempre citando suas fontes e ponderando sobre seus aspectos especulativos e delicados, face ao contexto de hoje. Felizmente, para mim, ele também é fascinado por histórias de tintas e cores, não só as de Van Gogh. Aprendi que o amarelo indiano, que tanto amo, já foi feito um dia com a urina de vacas condenadas a só comer folhas de mangas! Graças à reação dos artistas ao forte cheiro do pigmento, as bichinhas foram poupadas dessa dieta e as sociedades de proteção às vacas ajudaram na luta contra o poder colonial britânico. Também vieram das árvores os taninos que se usavam para fazer tinta do tipo ferro-galha, material que está em manuscritos como os de Bach, Galileu e George Washington.

Fiquei comovida em todos os capítulos sobre seu avô, químico que ajudou a fundar o Núcleo de Pesquisas de Produtos Naturais, da UFRJ. Como muitos da minha família, ele também foi um refugiado de guerra, que depois se apaixonou pelo Brasil. Se envolveu em pesquisas sobre a borracha e sobre medicamentos naturais, trabalhando até muito idoso em seu laboratório e na orientação de alunos. Sua biblioteca deve ter sido uma enorme fonte de inspiração para o neto, assim como as narrativas dos navegadores e exploradores, abundantes no livro.

Ao contrário de nós, pessoas comuns, Luiz Mors Cabral cruza com uns tipos incríveis, como o seu colega de quarto em Bruxelas, mexicano e neto do agricultor que descobriu o Bloco Cascajal! Pois é, por mim, passaria batido… mas Luiz nos conta: trata-se nada mais nada menos do que uma pedra olmeca, com 62 símbolos que são o registro mais antigo de escrita das Américas (900 a.c.)!

Da descoberta da aspirina às pesquisas atuais sobre a malária, passando pela origem das galinhas, do fuso-horário, da cerveja e da batata-doce nas Américas: tudo se transforma em aventura nesse livro! Às vezes, é até difícil de acreditar.

Minha passagem preferida, no entanto, é uma singela lembrança da infância do autor:

“Meu gosto pelo estudo da origem das plantas tem muito a ver com o milho. Quando era pequeno, costumava brincar no milharal que havia no sítio do meu avô paterno. Ali, certa vez, encontrei um milho estranho, bem diferente dos demais (…). Ninguém soube me explicar que planta era aquela. A resposta só veio no final das férias, quando mostrei-a para meu avô materno, que era químico de produtos naturais. Ele analisou a haste com muito interesse e disse: ‘Isso é uma mutação atávica do milho! Por algum motivo esse milho voltou a ser parecido com o seu ancestral!’

Não se pode dizer que meu avô tenha resolvido o mistério. Antes, ele o substituiu por outro ainda maior e mais instigante. Este livro começou a nascer naquele momento, quando descobri que plantas tinham ancestrais e histórias.” (p.155)

Esse trecho me fez pensar no quanto devemos respeitar nossos primeiros encantos, aquilo que nos fascina desde pequenos. É aí que está o sentido que nos move!

Pensando naquela pergunta que fiz na semana passada — “como cheguei até aqui?” –lembro das professoras e professores maravilhosos que tive, dos livros que vi e li, e de como tudo isso se materializa hoje em dia nesse blog, um espaço de liberdade, em que posso dar asas ao meu fascínio infantil pelo conhecimento.

Às milhares de pessoas que visitaram o blog desde o post sobre a vida de professora, meu imenso obrigada. Agradeço comovida o carinho das mensagens, o apoio, a solidariedade e as contribuições e exemplos que vocês trouxeram nos comentários e e-mails. Sejam todos super bem-vindos!

Graças a vocês, batemos duas marcas: mais de 300 mil visitas e mais de 200 mil visitantes. Não que eu esteja contando! 😉

Se vocês gostam do assunto plantas e aventuras, um dos meus posts preferidos é o que escrevi sobre As quinze vidas de Margaret Mee.

Sobre o livro: CABRAL, Luiz Mors. 2016. Plantas e civilização: fascinantes histórias da etnobotânica. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro. (Ilustrações Carolina Engel.) A edição é lindíssima, mas muitos capítulos podem ser lidos no blog do autor: oetnobotanico.wordpress.com

Sobre os desenhos: Todas as flores foram escolhidas a partir de pesquisas na internet sobre as plantas citadas no livro. Primeiro fiz uns rascunhos a lápis na abertura de cada capítulo, buscando simplificar as formas. Depois desenhei num papel separado com canetinha de nanquim permanente Pigma Micron 0.1., colorindo com lápis de cor (a maioria Polychromos, da Faber-Castell). Só depois tive a ideia de usar para o calendário de julho… Para não ter que desenhar tudo de novo, escaneei e editei no meu velho Photoshop (de 2007, presente de um aluno, que ainda funciona!). Prefiro desenhar direto na folha do calendário, mas foi o possível esse mês!

Para a imagem de Julho/2017 em .jpg, basta clicar no calendário no alto do post, ou aqui para imprimir em .pdf.

Para ver uma amostra de cada planta, aí vai a imagem original.

plantasecivilizacaopp.jpg

Você acabou de ler “Julho/2017 e as fascinantes histórias da etnobotânica“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Julho/2017 e as fascinantes histórias da etnobotânica”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: http://wp.me/p42zgF-2qq. Acesso em [dd/mm/aaaa].


9 Comentários

Junho/2017!

jun2017p

Pessoas queridas, junho chegou, viva! O calendário demorou um pouquinho porque fiquei sem internet hoje. Espero que traga sorte e alegria para vocês. O desenho foi inspirado no cartão de dia das mães que ganhei do Antônio (feito por ele). Fizemos a adaptação na folhinha desse mês, a quatro mãos. Não marquei o feriado de Corpus Christi (15-16) porque temos visitantes de outros países aqui no blog. Mas é tão boa a perspectiva de uma semaninha mais curta, concordam? Professores e alunos que me lêem: as férias estão chegando!

Para facilitar a impressão, é só clicar no pdf.

Até semana que vem!

Sobre o desenho: Linhas feitas com canetinha de nanquim permanente Pigma Micron 0,1, depois coloridas com lápis-de-cor Polychromos Faber-Castell. Antes de desenhar, imprimo (em papel comum A4) o calendário do mês gerado por um programinha antigo chamado Above&Beyond (na verdade, em janeiro, imprimi todos os 12 meses do ano de uma vez).

Você acabou de ler “Junho/2017!“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Junho/2017!”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: http://wp.me/p42zgF-2ba. Acesso em [dd/mm/aaaa].