Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


4 Comentários

Os afetos que nos movem

menino_p

“Professora Karina!
Escrevi para você por e-mail no início de 2019. Conversamos sobre as durezas dos nossos tempos, desde o incêndio do Museu. Te contei do que mamãe me falava sobre fragmentos de felicidade e de como seu blog cumpriu um papel fundamental na minha saúde emocional de pesquisador.
Essa madrugada eu terminei o texto da dissertação. Tudinho. Pronta para imprimir. E na hora lembrei de todos os textos que você já escreveu e que serviram como abraços para nós, jovens cheios de incerteza sobre a qualidade do que fazemos.
Queria reafirmar a você o quanto seus textos foram importantes para me convencer a acreditar em mim mesmo. Muitíssimo obrigado, professora Karina! Você cumpre um papel indispensável e de excelência na academia brasileira”

Recebi esse texto hoje e não pude deixar de me emocionar. Normalmente não compartilharia aqui um elogio a mim mesma, mas relevem: estou merecendo.

Na semana passada, fui jogada de um barco em alto mar. Foi um susto, uma violência? Foi. Mas sou grandinha e sei nadar. Tô ferida-viva, aquecida pelas mensagens de carinho e conseguindo fazer uma das coisas que mais amo no mundo: escrever e desenhar para compartilhar com vocês.

Respondi ao jovem da mensagem com o maior sorriso que encontrei dentro de mim. Agradeci cada palavra e disse aquilo que um dia tanto me ajudou na tempestade que foi o meu doutorado: “Parabéns por finalizar a sua dissertação. É sua, é seu trabalho; é algo que ninguém nunca vai poder tirar de você.

E completei: nos momentos difíceis, cada vez mais acredito que o caminho é a gente se doar — compartilhar coisas e conhecimentos para, quem sabe, facilitar a vida de quem estiver precisando.

No meio da nossa conversa, que seguiu por muitos parágrafos, ele mencionou um verso da música do Caetano Veloso, “Desde que o samba é samba”. Cito duas estrofes:

“Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando eu mando a tristeza embora”

“O samba ainda vai nascer
O samba ainda não chegou
O samba não vai morrer
Veja o dia ainda não raiou
O samba é pai do prazer
O samba é filho da dor
O grande poder transformador”

Sem que eu precisasse explicar nada do que estava acontecendo comigo, ele escreveu:

“A família por vezes faz com que passemos por momentos delicados. Eu desejo de todo coração que tudo isso passe, passe logo, e que enquanto isso não acontecer, que você tenha serenidade para lidar com aquilo que escapa ao seu controle.

Junto com a terapia, a meditação foi um outro instrumento que me ajudou a cuidar de mim. Às vezes, a única coisa que o dia pede é essa lição de sentar, respirar e observar nossas dores. E no fim, conseguimos até valorizar nossos fragmentos de felicidade, mesmo quando tudo fica ‘demorando em ser tão ruim’.

O que afaga o coração é olhar para o lado e ver que os afetos seguem nos movendo. Talvez essa seja das coisas mais doloridas, mas igualmente mais fascinantes da condição humana. (…) Talvez o melhor caminho seja ser mais fiel às nossas vontades do que aos nossos medos.”

Como eu poderia escrever melhor? Que presente ler algo tão significativo. Quanta sabedoria numa pessoa que acabou de passar por processos difíceis.

Quanto estamos em sintonia conosco, as pessoas e as portas certas parecem nos encontrar e se abrir sem esforço. Quando não, tudo parece demorar em ser tão ruim…

Como saber se estamos diante da porta certa? Para mim, é quando encontro um sorriso íntimo, um suspiro gostoso, uma vontade de cantar um ‘samba transformador’. Mesmo que o mundo lá fora diga não. Respondi para ele (e pra mim): “Fique atentos. Quando o coração bater de alegria, presta atenção. Quando bater de alívio, porque algo tava pesando, presta atenção também. É nisso que tenho pensado nesse momento.

Diante da tsunami e do mar sem boias, precisamos nadar e buscar novos sentidos para nos sentirmos inteiros. (Tem receitinha-lembrete no post da semana passada).

Meu desejo para vocês que estão terminando suas dissertações e teses nesse momento: força, calma, clareza, compaixão, paciência, e um pouquinho de disciplina, que não faz mal à ninguém. E lembrem-se do nosso mantra: “vai passar”.

Boa sorte, pessoal! Saibam que cada um de vocês importa, cada pesquisa importa, cada parágrafo que produz conhecimento sobre esse nosso mundo doido importa!

Coisas impossivelmente-legais-bonitas-emocionantes-e-dignas-de-nota da semana:

♥ A vitrola antiga-nova da Alice está a mil alegrando a casa. Ela está ganhando e comprando vinis, de João Gilberto a Diana Ross. ☺

♥ Visitamos nossa amiguinha do peito Helena e saímos de lá com uma foto polaroid. Que coisa fofa!

♥ Fomos ao teatro ver a última sessão da temporada de Novos Baianos – O musical. Emocionante! É indescritível de tão lindo o trabalho dos atores-bailarinos-músicos. Não percam quando o espetáculo voltar ao Rio.

♥ Encontrei ex-aluna, ex-colega de departamento, amiga de infância, amigas de internet, amiga de trabalho, amiga de desenho, amiga de bairro, prima, irmã, mãe, titia. Mulher é um bicho bom demais, gente. Mulheres maravilhosas, obrigada! ♥

♥ Para não desqualificar a categoria como um todo, vamos lá, tenho que admitir: quatro homens foram engraçados, gentis e solidários, sendo um deles o que me escreveu as mensagens desse post.

♥ Tento tentado postar diariamente nos stories do meu Instagram. Consegui redesenhar e pintar à mão a logomarca que aqui no blog ainda estava na versão original do App. Agora ficou assim:

instagram_p

Sobre o desenho: Esse jovem no metrô é parte do meu projeto 50 Pessoas em Aquarela (estou na pessoa 21/50). Linhas feitas por observação direta no Metrô do Rio, voltando tarde da noite. A canetinha foi uma Pigma Micron 0,05 de nanquim permanente. O caderno foi um bloquinho Hahnemühle como esses aqui. Adicionei as cores em casa, com as aquarelas que estão nessa paleta. Depois escaneei e limpei as sombras do papel no Photoshop. O rapaz bonito estava entretido com um grupo de música cujo aparelho de som estava bem ao seu lado no chão.

Você acabou de ler “Os afetos que nos movem“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Os afetos que nos movem”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Q8. Acesso em [dd/mm/aaaa].


2 Comentários

Aceitação pelo método Cupim-Kondo

terra_p

“Quem diria que as máculas vivem e ajudam a viver.” (Frida Kahlo)

Estou passando por uma fase de auto-aceitação. Não, não fiz dieta, nem ginástica, nem ganhei prêmios.

O processo veio do luto, da passagem do tempo, dos feminismos renovados, da leitura e escuta de mulheres e pessoas negras, das dores e alegrias de assistir ao crescimento dos meus filhos e de uma simples descupinização.

Apesar de já me considerar minimalista, em janeiro e fevereiro encaramos uma descupinização (há muito adiada) de todos os velhos armários do apartamento. Foi uma verdadeira revolução Cupim-Kondo! (Na verdade, o problema era “broca”.) Tivemos que tirar tudo dos quartos, um a cada duas semanas, para não gerar risco aos gatinhos. Deu um imenso trabalho, mas foi.

Apesar de pouca, havia acumulação sim. Na parte de cima do meu armário, e mesmo nos cabides, tinha calças, saias e blusas que “um dia me couberam tão bem”, sapatos comprados para o casamento de uma prima, tecidos que “qualquer hora vou costurar”, mochilas tipo “quem sabe eu uso”, sandálias que “o sapateiro consertará”, roupinhas das crianças “que um dia eles vão gostar de rever”…

Separei apenas uma caixa pequena de lembranças para cada pessoa da casa. (Na minha, guardei as peças com as estampas mais bonitas que “um dia pretendo desenhar” rs.) No mais, doeei tudo. Contando por alto, devem ter sobrado umas 20 blusas, 6 calças, 2 vestidos, duas sandálias, 1 tênis, 3 shorts, 2 saias, alguns casacos, uns sapatos de sair. Só. Que leveza abrir o armário de manhã!

Estou num processo de aceitar que não vou voltar a ter 32 anos, que tenho sono de tarde, que durmo pior, que meus cabelos estão quase brancos, que preciso de mais tempo para ir a médicos. Em compensação, sinto-me mais confiante pra estar em sala de aula, para cuidar, conversar, acolher e saber que tudo isso me faz bem.

Há tempos sei que a vida é feita de oportunidades e escolhas. Mas confesso que, ainda assim, tem um lado meu que continua querendo agradar, me “enquadrar”, dar conta, criar regras, mesmo para as coisas boas, como ser mãe, cuidadora da casa, funcionária pública, quase-artista-escritora.  

Não é possível. É um desperdício de energia lutar contra nossa própria humanidade. Preciso de tempo pra chorar, pra dormir, ir ao banheiro, namorar, pegar o ônibus e o metrô, viver sem me atropelar (tanto).

Que possamos, como ouvi no evento de ontem, “não desistir de resistir”; não desistir de lutar, aprender, mudar, rever e até, quando for o caso, de aceitar.

Sobre a citação: A frase da Frida Kahlo que abre o post está no livro “Frida Kahlo: uma biografia”, escrito e ilustrado por María Hesse (ed. LP&M). Ganhei essa preciosidade (é lindo demais!) de surpresa, de um amigo a quem ofereci um livro que descobri ter duplicado (na grande missão Cupim-Kondo que se espraiou pelas estantes também).

Sobre o método Cupim-Kondo: o nome é uma brincadeira com a Marie Kondo, organizadora profissional que ficou mega famosa com a série da Netflix sobre seu método. Li os livrinhos dela emprestados e gostei principalmente do segundo. Não tive paciência de ver a série toda porque sinto náuseas com o consumismo excessivo das famílias de classe média norte-americanas (apesar de um ou outro episódio ser melhorzinho).  Com a necessidade da descupinização, percebi que eu estava em estado de negação, que precisava de ser mais humilde. Mesmo me achando “super organizada”, vi que guardava coisas que não tinham mais sentido, numa tentativa de voltar a ser alguém que não serei mais.

terra_idp

Sobre o desenho (na verdade, pintura): Aquarela “para relaxar”, feita sem compromisso com o resultado, em dezembro/2018. Cores diversas pintadas sobre um círculo feito a lápis (depois apagado; no original aprox. 11 x 11 cm) no verso de um papel Canson XL Aquarelle. Escaneei, aumentei um pouco o contraste para ficar mais próximo do orginal e montei em várias repetições no Photoshop.

Podem deixar que não esqueci do calendário: prometo postar até domingo!

Você acabou de ler “Aceitação pelo método Cupim-Kondo“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2019. “Aceitação pelo método Cupim-Kondo”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3K2. Acesso em [dd/mm/aaaa].


4 Comentários

Novembro/2017 e Campanha de doações!

nov2017p

Novembro chegando!! O tema do calendário é para apoiar a campanha do querido Rodrigo Mello Barbosa para comprar fraldas para crianças com necessidades especiais da Obra Social Dona Meca. Ele conheceu a instituição através de uma das nossas heroínas em comum, a advogada Silvana do Monte Moreira, uma mulher fantástica, que vem trabalhando intensamente para ampliar a adoção de crianças no Brasil.

No ano passado, a Dona Meca avisou ao Rodrigo que não queria presentes no Natal, e sim fraldas geriátricas tamanho P para os jovens que abriga. Ele arrecadou 405 pacotes, além de 35 caixas de luvas. Além desse abrigo para crianças e jovens com muito comprometimento (daí o uso de fraldas), Dona Meca mantém outro com bebês e crianças pequenas em espera de adoção. Além disso, há um centro de tratamento que atende centenas de menores — um espaço muito especial para a população que precisa desse tipo de cuidado.

Qualquer valor é bem vindo!! Vale um pacotinho de fraldas (cerca de R$14 reais) ou o quanto vocês puderem colaborar. Cada doação ajuda muito. Também peço que compartilhem esse post (ou o do Rodrigo), pois muitas pessoas estão com vontade de doar, mas não encontram uma causa séria — essa é a oportunidade perfeita!

No decorrer e ao final da arrecadação, o Rodrigo vai prestar contas e mandar fotos. Quem quiser ir junto no dia da entrega, será muito bem-vindo.

Para conhecer o Rodrigo, vejam a foto abaixo e a página dele no Facebook.

Para conhecer a Obra Social Dona Meca: osdm.org.br.

Vocês podem doar com cartão de crédito pela campanha no Vakinha ou depositar diretamente na conta:

Rodrigo de Mello Pires Barbosa
Bradesco
Ag 1785 Cc 144445-0
CPF 089.590.907-35

rodrigomello

Rodrigo Mello e as fraldas doadas em 2016 para os jovens com necessidades especiais atendidos na Dona Meca — a meta é chegar a 1000 pacotes em 2017!

Sobre o calendário de novembro — Para imprimir o calendário, vocês podem baixar o .pdf (tamanho grande) ou clicar na imagem que abre o post em .jpg (tamanho pequeno). Quis fazer algo que simbolizasse essa corrente de ajuda mútua que estamos tentando construir. As mãoszinhas espalmadas são de todos nós. Também quis remeter ao símbolo Hamsá, que significa boa sorte para muitas culturas do Oriente Médio, um amuleto adotado por muçulmanos, judeus e outros povos. Não custa sonhar!

Sobre o desenho — Fiz as mãos com caneta de nanquim descartável Pigma Micron 0,2. Depois colori com diversos marcadores brush (Faber-Castell Pitt, Koi Coloring Brush e Tombow). Esse tipo de caneta não oferece muito controle de como a cor vai sair; mas compensa pela rapidez e por se manter vibrante num papel de impressora comum, que é o tipo que eu uso nesses calendários.

Obrigada desde já, pessoal — vambora! ♥

Você acabou de ler “Novembro/2017 e Campanha de doações!“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Novembro/2017 e Campanha de doações!”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3t9. Acesso em [dd/mm/aaaa].