Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


3 Comentários

Razões para sorrir

metro230319_p

Essa semana voltei à rotina de desenhar no metrô, prática que iniciei em 2008 e que foi minha maior escola de desenho de observação. Na época, eu fazia um curso de “modelo vivo” — que é como se chamam as aulas em que uma pessoa posa nua para os estudantes desenharem. Apesar de amar esses exercícios, sentia que alguns modelos estavam ali meio mortos, engessados nas poses. Como amo gente (e influenciada pelo treinamento como antropóloga, não posso negar), passei a observar os passageiros do metrô como modelos vivos de verdade: cansados, animados, distraídos, entretidos, apaixonados, preocupados… Eles são uma aula grátis de desenho de observação, todos os dias, bem na nossa frente!

Um dos motivos para retomar o caderno foi o início de mais um curso de Antropologia e Desenho no IFCS/UFRJ. Na página à esquerda, fiz o exercício de “procurar desenhos onde aparentemente não os vemos”: estampas, tatuagens, logomarcas de produtos, texturas… Há um mundo de coisas simples e desenháveis à nossa volta. O interessante é viver o processo de descobertas que a observação gera. Por exemplo: ao desenhar uma flor branca bordada num vestido preto, percebi a originalidade da roupa (cortada com detalhes diferentes do que costumo observar). Desenhei o modelinho e, ao fazer isso, só então reparei numa tatuagem no ombro da moça. Achei que era um padrão floral, mas não: tratava-se de um pequenino manequim de modelagem rodeado por ramos e folhas. Seria uma profissional da moda? Que surpresa boa ser levada, de desenho em desenho, ao amor daquela pessoa por seu ofício. ♥

No meu trajeto até a Uruguaiana desde 2008, algumas coisas são rotineiras: homens do dia vestem roupas lisas, ou no máximo listras e xadrez, constrastando com as mulheres cheias de estampas. Sapatilhas com lacinhos e bolsas de marca descem na estação Carioca 99% das vezes. À noite isso se modifica: há menos ternos e mais camisetas de bandas e tatuagens. Meus modelos favoritos: famílias, pessoas lendo, mães com bebês.

Dois dias depois, peguei novamente o caderno, mesmo apertada nos bancos indecentes do metrô chinês. Foquei em dois homens dormindo (sempre bons modelos), começando o exercício pelos pés de ambos, de modo a experimentar aquilo que falei para a turma: escolham uma “forma” e não um “significado” para iniciar a traçar. Isso ajuda a desconstruir a ideia (assustadora) de desenhar pessoas. Precisamos esquecer quem são e perceber apenas linhas, espaços, sombras, curvas, vazios e cheios… Nossa inspiração da semana foi a simplificação de Steimberg. Comecei pelo senhor à direita, que parece ter sentido meu olhar, o que me fez parar. Retomei com o da esquerda, desligadão de tudo, ao ponto de eu ter conseguido detalhar sua bolsa estilosa que contrastava com a roupa sóbria.

Mas o melhor veio ao final: a moça ao meu lado abriu um sorriso lindo e falou antes de se levantar: “nossa, como você desenha bem, parabéns!” E ainda me deu um tchau sorridente da porta. Uma mulher trabalhadora, cheia de pacotes, que parou um segundinho do seu dia para me incentivar com gentilezas! ♥

A delicadeza do gesto me lembrou as dezenas de mensagens no Twitter de @Nicole_Cliffe. Ela pediu que as pessoas contassem a coisa mais gentil que um estranho já falou ou fez para elas. São tantas histórias bonitas… Resumo algumas para vocês aqui:

• O vendedor de uma livraria LGBT que recebeu um telefonema de um rapaz gay pensando em se matar: ele não só atendeu e começou a conversar, como uma cliente da loja e depois outras e outros fizeram uma fila e se revezaram no atendimento da ligação.

• A aeromoça que deu uma calça de yoga da sua própria mala para uma mãe se trocar (pois estava toda molhada pelo vômito de seu bebê).

• Uma família que parou para ajudar uma pessoa presa com seu carro na neve e ainda ofereceu sopa quente.

• Uma moça que ouviu um comentário ofensivo sobre sua aparência de sua própria mãe, em seguida foi abordada por um estranho que lhe disse: “eu só queria que você soubesse: acho você linda”.

• A mulher que sofreu um aborto espontâneo em um emprego novo e teve todo apoio (e discrição) de seu chefe.

• Uma jovem com problemas de depressão que olhava fixamente para um poster com informações de um serviço de ajuda, quando foi abordada por um homem que lhe perguntou com a voz mais gentil do mundo: “você está bem? precisa de algo? quer conversar?”

• O caminhoneiro que buzinou para um carro sair da frente, sem ver que ele estava parado para deixar uma senhora atravessar. Depois foi pessoalmente pedir desculpas pelo incômodo da buzina.

• Uma pessoa sofrendo um ataque de pânico silencioso no saguão de um aeroporto foi acudida por um cachorro de serviço (de outro passageiro) que detectou seu problema e ficou com a cabeça no seu colo por 20 minutos.

• E uma história dessa semana (que não está na thread) que tocou todas as pessoas que têm um mínimo de senso de humanidade: acompanhar as ações da primeira ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, ao acolher, chorar e se eguer para agir proibindo acesso a armas de assalto em seu país.

• Queria também dizer que eu mesma, quase todos os dias, sou tocada pelo carinho enorme dos comentários, mensagens e e-mails de vocês. Recebam meu abraço apertado por cada palavra delicada e generosa. ♥ ♥ ♥ Estou mil vezes melhor das sensações de ansiedade pois, como costuma acontecer comigo, escrever e desenhar sobre um problema é o meu melhor caminho.

As desigualdades que geram as faltas de oportunidades são profundas. Vamos combatê-las!

• Há muitas opções para sermos nós as desconhecidas que ajudam o próximo: saiba como auxiliar as vítimas do ciclone em Moçambique, Zimbabue e Malaui. Ajudei pela ActionAid, que fez um projeto bem específico.

Aqui uma campanha  bonita para financiar o livro do jornalista (e historiador) Alê Santos, Rastros de Resistência – Histórias de luta e liberdade do povo negro.

• E esta semana, na quinta, teremos um evento maravilhoso no IFCS/UFRJ. Segue abaixo o convite para todos que estiverem no Rio. Será uma mesa de mulheres incríveis, tratando de um tema urgente:

Print
CONVITE PARA AULA INAUGURAL IFCS 2019-1

PREVENÇÃO E COMBATE AOS ASSÉDIOS DE GÊNERO, RAÇA E CLASSE NO IFCS / UFRJ  • Data: 28/03/2019 • Horário: 17:00h •  Local: Salão Nobre

Composição da Mesa:
Direção do IFCS – Susana de Castro (IFCS/UFRJ)
Comissão “Diretrizes para prevenir e combater o assédio moral e sexual no IFCS/UFRJ” – Aparecida Moraes (IFCS/UFRJ)
Centro de Referência das Mulheres da UFRJ – Emmanuela Neves (CRMM e CRM/UFRJ)
Comissão de Direitos Humanos e combate ás Violências da UFRJ – Luciene Lacerda, (CDHCV/UFRJ; NUBEA)
Câmara de Políticas Raciais da UFRJ – Cecília Izidoro (EEAN/UFRJ; DEN/HUCFF; CPR/UFRJ
Coordenação de Políticas de Saúde do Trabalhador da UFRJ – Vânia Glória Alves (CPST/UFRJ)

Resumo da Mesa:  Apresentação dos princípios de prevenção e combate aos diferentes tipos de assédio no IFCS/UFRJ. Reafirmação dos compromissos institucionais das Ciências Sociais, da Filosofia e da UFRJ, de modo mais amplo, na promoção do respeito, igualdade e cidadania em todas as esferas da comunidade universitária. Manifestação da Direção do IFCS e colaboradores pelo repúdio e pelo enfrentamento institucional a quaisquer formas de desrespeito, discriminação, constrangimento, intimidação, entre outras ofensas. Apresentação dos documentos e canais da UFRJ e do IFCS que buscam a garantia desses princípios.

Sobre as Participantes:
Susana de Castro — Diretora do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS/UFRJ), Professora do Departamento de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PPGF), Coordenadora do ANTÍGONA – Laboratório de Filosofia e Gênero (IFCS/UFRJ).

Aparecida Moraes — Professora associada do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ/IFCS. Co-coordenadora do Núcleo de Estudos de Sexualidade e Gênero (NESEG/PPGSA/IFCS)

Luciene Lacerda — Psicóloga (UFRJ), Coordenadora do Laboratório de Ética nas Relações de Trabalho e Ensino (NUBEA) e Coordenadora da Comissão de Direitos Humanos e combate ás Violências da UFRJ. Doutoranda em Educação na UFRJ.

Emmanuela Neves — Psicóloga, Técnica em assuntos educacionais no Centro de Referência de Mulheres da Maré (CRMM). Serei a representante do CRMM e do CRM na apresentação dos serviços de atendimento às mulheres em situação de violência da UFRJ. Mestre em Psicologia na UFRJ e doutoranda no Dpto de Medicina Preventiva na USP.

Cecília Izidoro — Professora associada do Departamento de Enfermagem médico cirúrgico da EEAN/UFRJ, Diretora acadêmica adjunta da DEN/HUCFF, representante da Câmara de Políticas Raciais da UFRJ.

Vânia Glória Alves — Enfermeira do trabalho, Metre em Artes e Ciências Sociais na Unigranrio, Chefe da Seção de Atenção Psicossocial da Coordenação de Políticas de Saúde do Trabalhador da UFRJ.

Sobre o desenho: Caderninho Muji tamanho A5 (aproximadamente) que ganhei de uma ex-aluna querida. Desenhos feitos com canetas esferográficas hexagonais também da Muji, 0,25, que ganhei de presente. Escaneei e editei no Photoshop para dar mais limpeza e fiz um pequeno destaque, aumentando o desenho da tatuagem no canto inferior esquerdo. No mais, já expliquei tudo no próprio post!

 

 

 

 

 


6 Comentários

A gorda, missão íntima

agorda_p

“Não se pode ir com muita sede ao pote. Nem com pouca. Uma pessoa nunca sabe como abordar o pote. É à sorte.” (A gorda, de Isabela Figueiredo, p. 63)

Foi num domingo de manhã que uma amiga me recomendou A gorda, de Isabela Figueiredo (ed. Todavia). Mal sabia o quanto iria me emocionar esta narrativa numa primeira pessoa cheia de contrastes: sensível e objetiva, triste e engraçada, surpreendente e cotidiana. Foi um pote delicioso, bebido com sede!

“Em silêncio, sou sempre eu e o que em mim se compõe e apruma.” (114)

Estamos em 2018 e ainda me espanta e alegra ler uma mulher com voz num mundo em que são os homens que “têm direito a ser grandes”(30). Isabela, Maria Luísa, a mamã, a titia, a vizinha, a amiga… mulheres que precisam aprender a enfrentar seus corpos:

“O meu corpo não esperava que eu tivesse a coragem. Foi surpreendido logo de manhã. Levaram-se para o bloco de operações e zás. (…) Estava só eu e o meu corpo, como se tivesse acabado de nascer, mas consciente. Só nós dois, na nossa luta. (…) ‘Quem manda sou eu!’. E o meu corpo a piar fininho. Quietinho. Dobrado sobre si. E eu dizendo-lhe, ‘subestimaste-me. Afinal não conhecias assim tão bem a mulher com a qual te meteste.'” (124-5)

O mundo interior de Maria Luísa, a protagonista do romance, é ao mesmo tempo melancólico e bonito…

“Por vezes considero que perdi muito tempo, no passado, desgostando de mim, mas reformulo a ideia concluindo que o tempo perdido é tão verdadeiramente vivido na perdição como o que se pensa ter ganho na possessão. E volta o sossego.” (21)

Frágil e forte…

“Mas não, não, mesmo pelos meandros da loucura considerava que matar-me seria um grande desperdício, avaliando o investimento já realizado.” (42)

Sofrido e divertido…

“Imaginei-os comentando uns com os outros, ‘doutor Sequeira, está ali uma senhora a sofrer por amor, vá lá dar-lhe uma injeção ou pô-la ao soro’, e no meio da loucura soltei uma gargalhada. Rir-me era um bom sinal. Ainda não estava louca (…)” (70)

Há uma solidão por vezes sufocante…

“Eu era uma miséria de mulher, um torpor, uma dor que já nem dói. Um farrapo de lã que já não aquece.” (72)

…mas é a de um corpo vivo, um corpo que ama o corpo do outro (David), que se deixa rebentar no momento do encontro, quando não se pertence “a lugar algum”, quando sexo e cérebro são só “dor luminosa no lugar do nada, ópio que não pode durar mais” (40).

“É uma missão íntima entre o nosso coração rarefeito e o do Tejo [o cão]. Os nossos caminhos também se cruzaram sem o termos pedido.” (135)

Acompanhamos as reflexões de Maria Luísa por dentro, os fatos se dobrando às memórias. É uma narradora crescida…

“A vida adulta raspa a pele.” (127)

…que sente saudades

“Falta-me qualquer coisa muito antiga.” (129)

…mas segue:

“Há um dia em que todas as noites acabam.” (151).

Não sabemos ao certo como ou quando se dá seu ponto de fervura interna (“O teu pai ferve em pouca água”, diz a mamã, p.137). Em algum momento nos damos conta, junto com a narradora, que os pais se foram, que a casa se vende, que o desconforto sossega, que as lembranças clareiam, que a vida se ilumina:

“Que bela mulher eu sempre fui! Um corpo tão perfeito, tão imponente, como pude desamá-lo tanto?!” (203)

Que leitura comovente, simples, amorosa, feito chão de tábua corrida com sol.

Um ótimo final de semana, leitores queridos! ☼

Sobre o livro: Agradeço à querida Maria Helena Mosse pela indicação d’A gorda. Que boa companhia! Da autora, Isabela Figueiredo, só sei o básico: é moçambicana, radicada em Portugal desde 1975, autora de Cadernos de memórias coloniais (ainda não disponível no Brasil) e deste primeiro romance A gorda (ed. Todavia, 2018). Adorei que a editora manteve o português lusitano, que amo ler. Comprei numa livraria de rua aqui no Rio de Janeiro, mas vi que está mais barato na Amazon.

Sobre o desenho: Estava sem ideia de imagem para o post e adoro desenhar o objeto-livro. A capa original é do Pedro Inoue. Desenho feito no verso de um papel Canson (bloco XL Mix Media) com canetinha de nanquim permanente Pigma Micron 0.2, depois colorido com aquarela (várias marcas, mas a maioria Winsor & Newton), que depois resolvi cobrir com guache (tenho as três cores primárias da Winsor & Newton). Foi um sacrifício escrever em laranja na capa e na lateral. Depois dei uma ajeitada em tudo no Photoshop para ficar legível.

Você acabou de ler “A gorda, missão íntima“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2018. “A gorda, missão íntima”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Fh. Acesso em [dd/mm/aaaa].