Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


8 Comentários

Saber esperar

crebfilap

Semaninha difícil,  em que precisei de elevadas doses de paciência e compaixão. Sabem aqueles dias em que você se culpa por tudo, e faz até a burrice de atravessar a cidade sem levar o que precisava entregar do outro lado? Pois é. Tudo isso junto e o pior: duas pessoas amadas sofrendo, sem que eu pudesse fazer nada.

A cada final de dia, porém, conversando com as crianças, chegávamos à conclusão de que os piores momentos trouxeram também alguns dos melhores. (Para quem não conhece, todas as noites fazemos aqui em casa o jogo do melhor e do pior.) E sabemos que nossas dificuldades ficam pequenas frente a tantas outras.

Fiquei em muitas filas e acabei conhecendo mulheres incríveis: uma fisioterapeuta surda (primeira à esquerda, na imagem acima), uma senhora com artroses graves que conseguiu se desaposentar por invalidez (a primeira à direita, no desenho acima).

crebgrisp

Num outro dia, conheci essa senhora da imagem acima, com um cabelo todo cinza claro, de uma cor natural tão bonita, que não pude deixar de elogiar. Vaidosa, ela foi me contando sua história de mansinho… era sobrevivente de uma leucemia.

crebnarizp

Num outro dia, ajudei a senhora (acima), dessa vez, a encontrar o Centro Médico onde iria acompanhar a ultrassonografia da filha, a espera de seu primeiro neto, ou neta! Eu tinha acabado de ter uma notícia pessoal tão ruim… mas, ao conversar com a senhora Regina, me dei conta de que estávamos indo para o mesmo local onde há 17 anos fiz a primeira ultra da gravidez do Antônio, acompanhada pelo seu avô, ansioso por ouvir bater o coração do primeiro neto. Deixei-a tão agradecida na porta do prédio, por eu tê-la acompanhado. Mas senti meus olhos marejarem, certos de que foi ela quem me ajudou.

crebburkep.jpg

Outra imagem da semana veio do livro que estou lendo e amando: Testemunha ocular, de Peter Burke. Não sei se já contei aqui, mas foi uma sorte ter comprado essa preciosidade antes que se esgotasse. Prometo que faço um post quando terminar. Essa moça estava na foto de um quadro analisado no livro. Achei-a com uma pose de “espera”, com as outras tantas mulheres que encontrei nesses dias de clínicas e filas.

Fiquem com meu desejo de boas férias, com muitos encontros e histórias bonitas para contar. Que possamos saber esperar, tendo esperança, como a Alice me ensinou outro dia. — Esperar não é ficar parada, mãe. É muitas coisas: ter esperança, contar com, não desistir.

Sobre os desenhos: Comecei um pequeno caderninho vermelho e resolvi que todos os desenhos nele seriam com uma canetinha vermelha 0.5 da Muji. As sombras em rosa foram feitas com uma caneta pincel Tombow e outra da Koi brush Sakura. As duas mulheres que me contaram um pouquinho de suas vidas foram desenhadas depois, de memória. Na imagem destacada do post (abaixo), alguns itens que adoro e que sempre ajudam a esperar! As cores são também uma homenagem a Fran Meneses, uma ilustradora chilena (vivendo na Inglaterra, atualmente) que admiro e acompanho no Youtube e no Instagram.

crebid2

Você acabou de ler “Saber esperar“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! 🙂

Como citar: Kuschnir, Karina. 2017. “Saber esperar”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: http://wp.me/p42zgF-2wt. Acesso em [dd/mm/aaaa].

Anúncios


8 Comentários

Show de filha

alicetvp

Dia 2 de outubro Alice não acordou muito bem. Ficou de molho, sem escola, mas lá pelas 16h, parecia totalmente recuperada e dando pinotes de tédio. Propus que fóssemos ao shopping comprar uma chuteira, já que a antiga estava apertada. Ela topou. Chegando lá:

Alice: — Mãe, vamos olhar [no mapa eletrônico das lojas] para irmos direto onde tem chuteiras?

Eu: — Tudo bem, filha.

E ela, rápida, achou tudo e organizou a “busca”.

De vez em quando, eu dizia: — Alice, peraí, deixa eu só ver essa loja rapidinho.

Alice: — Ah, não, mãe, a gente veio aqui pra ver as minhas coisas.

Eu, mais à frente: — Alice, calma, eu quero aproveitar e comprar um presente para o amigo do seu irmão.

Alice: — Não… não dá, a gente ainda não foi na Nike.

Eu, numa última tentativa — Alice, olha que casaco bonitinho…

Alice: — Mãe…

Eu: — Mas Alice, você está sendo muito ditadora!

Alice: — Ué? Só estou fazendo meu papel de filha!

Eu tive que rir… Pra terminar bem: compramos uma chuteira muito simpática e brasileira, ufa!

No dia seguinte, ela ficou doente mesmo. Acordou vomitando, com febre alta, dor de garganta… [Não se preocupem, ela já está ótima!] À noite, mesmo medicada, continuava caidinha e super triste porque não poderia participar do jogo de futebol do dia seguinte.

Seria seu primeiro jogo-amistoso “de verdade”, num clube. Ela chorava por não poder jogar… E eu, inventando um jeito de consolá-la, disse que um dia ela seria uma jogadora tão famosa que ia ser entrevistada pelo Neymar (já velhinho):

— Alice, como você se sente sendo a primeira jogadora brasileira campeã mundial em três Copas do Mundo?

E ela, enxugando as lágrimas:  — Em três Copas não, mãe. Só em duas, tá?

Eu: — Mas por que não três, Alice?

Ela — Por que eu não posso passar o Pelé. Só ele ganhou três Copas.

Assim mesmo, ponto final, seríssima. [E eu e o Antônio nos acabamos de rir!]

Mais tarde, Alice vendo uma briga entre irmãos na novela Império, um almofadinha e um tipo “bad boy”.

Eu: — Ai, esse cara é uma chato… Não convence…

Alice — Mãe, pelo menos ele está amadurecendo!

Uns dias depois, Alice super entediada fazia bagunça numa gaveta.

Eu: — Alice, cuidado, essa gaveta é frágil, vai quebrar!

Antônio, se metendo: — Alice, se vc tocar meus CDs, eu te jogo pela janela!!

Eu: — Que jeito de falar é esse, Antônio?

Antônio, rindo: — Ah, é do térreo, nem vai doer tanto…

Alice, revoltada: — Se você me jogar pela janela, eu jogo óleo e boto fogo em todos os seus funis!!

Nós dois: — Hãããã???? Funis???

Alice: — O que, o que, o que vocês estão rindo?

Eu: — É vinis, filha, vi-nis. Aquele disco grande que o Antônio comprou é um disco de vinil.

[E mais uma vez desatamos de rir…]

Já totalmente curada, Alice se dedicou uma manhã inteira à produção de presentes de aniversário para uma ex-professora. Depois de muita negociação, ela concordou que eu transcrevesse aqui no blog a cartinha feita por ela para todos os amigos assinarem (desde que eu tirasse os nomes: — “Pras outras professores não ficarem com ciúmes, mãe”):

“X,

Parabéns pelos seus anos de vida e também pelos seus anos de profissão. Todos nós da turma [xx] te amamos muito e sempre vamos te amar por tudo que você fez pela gente. Você é muito legal e os alunos que estão com você são muito sortudos. E também é óbvio que a nossa foi a melhor turma que você já teve.

Feliz aniversário!”

Imaginem a emoção dessa professora… E a minha também… Ser mãe-professora e ver a filha escrevendo uma cartinha dessas!

Sobre os desenhos: Os desenhos que abrem o blog foram feitos no apartamento “ovinho” (nossa casa provisória). Alice estava jogando no Ipad e infelizmente ficou com cara de adulta :-(. Já o gato Charlie estava nessa pose de doidinho mesmo! Enfim, foi o que consegui… Usei canetinha preta Pigma Micron 0.05 e aquarelas.

Abaixo, um desenho que fiz como dever-de-casa do workshop online da professora Melanie Reim, na Sketchbook Skool. Neste, além das aquarelas, usei uma canetinha Muji 0.38 que o Ju trouxe de Portugal, junto com um caderninho Laloran novo, viva!

capitao salomao