Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


6 Comentários

Abril/2017!

Aí vai o calendário de abril/2017, com três dias de atraso, para vocês não acharem que sou certinha… Para imprimir, cliquem no .pdf ou na imagem acima (em .jpg).

Estou numa fase introspectiva, com dificuldade de levar a vida em público aqui no blog. É só um tempinho, até eu reencontrar o tom e os assuntos possíveis. Não que isso seja novidade. Desde o início, a ideia de ter um blog esbarrava na minha aversão a me expor. Já recebi perguntas engraçadas por causa disso. Um amigo virtual escreveu: “– Você existe mesmo? …porque não tem nenhuma foto sua no Facebook!” Em outra ocasião, recebi uma mensagem: “– É você que administra o seu perfil? Ou é uma assistente? Você é idosa?” Essa virou motivo de piadas até hoje aqui em casa. As crianças adoram me zoar.

Há um lado maravilhoso de receber mensagens fofas, comentários, sugestões, incentivos. Às vezes, de onde menos espero, vem alguém dizer que lê o blog: um caixa da livraria que reconhece meu nome, uma mesária na seção eleitoral do meu bairro, uma bibliotecária do outro lado da cidade. Com as pessoas mais próximas, porém, tem uma situação bem esquisita: elas estão sempre atualizadas sobre a minha vida; e eu não sei nada do que está acontecendo na delas. É muito desigual! Então, rola um momento estranho: às vezes vou contar algo, e a pessoa já sabe: “ah, eu vi no blog”. No próximo encontro, não falo nada, evitando ser repetitiva, e a pessoa vem se desculpar “ah, essa semana não tive tempo de ler o blog”!

Sim, é um probleminha de nada. Mas sou bem boa em transformar coisinhas em coisonas na minha cabeça. Quem conhece essa mania levanta a mão!

O tema do calendário de abril é uma homenagem às minhas crianças. Quase todos os dias faço pipoca na hora do lanche. Poder estar com elas, conversar, abraçar, brincar, ler, estudar, descansar, cuidar todos os dias é o que dá sentido e alegria na minha vida. Fico sem tempo para muitas outras pessoas e atividades? Sim. Mas não gostaria que fosse diferente. Eles são minha prioridade nesse momento aproveita-porque-passa-muito-rápido.

A falta de tempo só se torna um conflito quando não sabemos o que queremos. Quando fazemos algo pensando em outra coisa. Ao me ver na dúvida se “ajudo a Alice nos estudos ou escrevo o blog”, tenho tido clareza para responder: primeiro o que vem primeiro. Na minha listinha atual, a ordem é crianças, saúde/amor, trabalho, blog/desenho, outros. Nessa busca de foco, resolvi deixar as redes sociais no limbo. Por ora, ficarei conectada só aqui pelo WordPress mesmo.

Aos pós-graduandos que me lêem, aos professores e pesquisadores que estão tentando terminar “aquele artigo”, tese ou dissertação: escrever é a prioridade de vocês. Nossa energia e tempo são limitados: vale a pena fazer primeiro o que vem primeiro. O legal dessa regrinha simples é que compensa, muito.

Boa semana a todos!

Sobre o desenho: Pipocas feitas com caneta Pigma Micron 0,05 e coloridas com lápis de cor Faber-Castell Polychromos, de uma caixinha nova que comprei em Lisboa. São muito bons! As sombras foram feitas com caneta pincel Tombow cinza bem claro, n.95.

Update-Receita: Esqueci de deixar a receita das pipocas. Fazemos numa panela pipoqueira bem básica (daquelas que tem um mecanismo de rodar na tampa). Coloco 1 colher de sobremesa de óleo, 1 colher de sopa de manteiga, milho de pipoca até cobrir o fundo (e mais um pouquinho). Daí é só ligar o fogo alto e mexer bastante até estourar! Jogamos tudo num pote tipo bacia de cozinhar (em inox, pois os de plástico podem aquecer e soltar resíduos) e colocamos sal. Nossa bebida preferida é mate gelado — o meu puro, o deles com açúcar (por enquanto, espero).


6 Comentários

A quiche perfeita

fogaovaop

Nada de pensamentos erráticos, como prometi na seção “Do blog”. Compartilho hoje com vocês uma das coisas mais valiosas que possuo na vida! Pelo menos é o que a minha família e os meus amigos acham. Antes de me convidarem para qualquer evento, eles perguntam: será que você poderia trazer “aquela quiche”? Posso, claro, respondo, fingindo animação… de alho-porró ou de espinafre? Até os meus filhos, que são implicantes com comida, devoram a bichinha.

Aprendi essa receita infalível num programa de culinária chamado Café Caprial, de uma americana muito simpática, que passava no GNT na época do meu doutorado. O que a gente não faz para enrolar a escrita da tese… Tomei um gosto em cozinhar que só vendo. Hoje em dia morro de preguiça.

A receita parece complicada, mas depois que você pega o jeito, fica bem fácil. (Uma dica é preparar a massa na véspera e deixar na geladeira para assar no dia seguinte.) Ela faz par com a receita de bolo de chocolate que também virou post. Nunca dá errado.

Só não digam que não avisei: se vocês levarem essa quiche para uma festinha, seus amigos nunca mais deixarão de pedir por ela! E você ficará pra sempre se perguntando… será que eles gostam mesmo de mim ou na verdade estão com saudades da quiche?

 …
Quiche de Alho-Porró (ou outro recheio) – Uma receita perfeita
Utensílio especial necessário: forma para assar quiche, dessas que solta o fundo. (Mas, pensando bem, dá para fazer em qualquer forma! Só não vai ficar tão bonita.)

Ingredientes da massa: 2 x. farinha de trigo + 150 gr manteiga + 1 pit. sal + 1 gema + 1 dente de alho picado (opcional) + 1 ou 2 colheres de água gelada.

Como fazer a massa: Amasse tudo gentilmente, sem mexer demais, mas até ficar homogênea. Pode-se passar no processador rapidamente, se quiser. Deixe descansar na geladeira por 1 hora enrolada em plástico.

Como pré-assar a massa: Abra a massa na forma e faça furos no fundo com um garfo. Coloque no forno pré-aquecido para pré-assar da seguinte forma: por cima da massa, ponha uma folha de papel alumínio (ou papel manteiga) com um punhado de feijão cru por cima, para dar peso. Deixe assar por cerca de 15 minutos, ou até a massa começar a soltar das laterais da forma. Retire do forno e retire o papel e o feijão (aqui em casa guardamos esse punhado de feijão numa caixinha para ser usado como “peso” na massa de uma próxima quiche).

Recheio 1: 1 x. creme de leite (ou 1 caixinha), 2 ovos, sal e pimenta, 1/3 x. xerex (se você tiver; eu nunca tenho…), tomilho ou outra erva. Misture tudo num pote, batendo ligeiramente.

Recheio 2: 1 x. e meia aproximadamente de um legume cozido e refogado (espinafre ou alho-poró ou cogumelo ou queijo minas etc.) + 1/2 x. de queijo parmesão ralado (reserve uma parte para o fundo). (Ps: em tempos de parmesão muito caro, temos feito com outros queijos e dá certo também.)

Como assar a quiche: Depois de pré-assada a massa, deixe esfriar um pouco. Polvilhe parmesão no fundo da forma, para “selar”. Depois espalhe os legumes refogados. Em seguida, despeje lentamente a mistura de creme de leite e ovos e queijo até entranhar bem.  Por cima de tudo, pode-se polvilhar com gergelim (opcional). Fica bem bonito.

Leve ao forno médio — demora cerca de 45 a 60 minutos para assar. É preciso assar com calma para não inchar e murchar depois. Verifique se está pronta enfiando um palito, que deve sair seco.

Bom apetite!
Sobre os desenhos: A ideia de compartilhar a receita veio do desenho desse forninho abandonado na garagem do meu prédio. Na imagem ao lado, um vão que vi numa casa aqui do bairro. Ambos feitos a partir de fotos minhas (a data carimbada se refere às fotos e não aos desenhos pois não dei conta de desenhar nesses dias de abril em que estávamos todos doentes aqui em casa). Ah, e a pintura de listras azuis na chamada do post foi inspirada nos toldos de uma feira livre, que achei lindos. Usei canetinha 0.2 e aquarelas no caderno Laloran (materiais já explicados aqui).


4 Comentários

Chocolate de vidas passadas

bolo de chocolate-001

Quando um relacionamento ruim acaba, você chega à conclusão de que não sobrou nada. Nem saudades, nem falta, nem arrependimento pelo adeus, nem lágrimas. Você não consegue nem ao menos se lembrar do sentimento que um dia te levou a namorar aquela pessoa. É como se fosse uma vida passada, e você não acredita em vidas passadas.

Um dia, seus filhos já não tão pequenos, curiosos, ficam fazendo perguntas sobre a sua vida amorosa. Crianças são boas de fuçar a vida alheia. Não se intimidam com palavras, pois percebem que suas caretas e olhares desviados contradizem o distraído “Não me lembro”.

Eles dizem: “Lembra sim! Vai, diz o nome, conta aí, como foi, como era, por que terminou??”

Ok, respondo: “Dessa pessoa, só sobrou desprezo e… quer dizer, pensando bem, sobrou uma receita de bolo de chocolate; a receita do bolo de chocolate que vocês adoram.”

E afinal, festejo com eles essa pequena alegria: um relacionamento com a pessoa errada até que deixou uma herança tão boa!

A receita da ex-futura-nunca-sogra virou um “clássico” da minha família e até hoje se espalha pelas casas dos amigos que um dia a provaram: um bolo de chocolate que nunca dá errado e que pode ser feito no liquidificador! O bolo virou a nossa tradição inventada particular… rs

Para uma mãe como eu, em semana de aniversário de filha e em final de semestre no trabalho, uma receita é o máximo que posso oferecer aqui neste blog, na tripla categoria de coisa gostosa, útil e prática:

Bolo de Chocolate (de Vidas Passadas)
Ingredientes:
150 gramas de manteiga sem sal ou margarina (Esse bolo é do tempo em que não existia denúncia de gordura trans. Costumo esquentar um pouquinho a manteiga no microondas para ficar mais mole — só uns 10 segundos!)
2 xícaras açúcar
3 ovos
2 xícaras de farinha de trigo (sem fermento)
1 xícara de leite
1 xícara de chocolate em pó (infelizmente tenho que recomendar aqui aquele da caixa vermelha com a foto do padre, da Nestlé-arg)
1 colher de sopa de fermento em pó (ou uma tampinha cheia, se for usar o fermento Royal, pois 1 tampa = 1 colher de sopa. Prático, né?)

Como fazer:
Forma & forno: Antes de tudo: prepare uma forma média forrando-a com manteiga e depois polvilhando-a com farinha; e acenda o forno para aquecer em temperatura média-baixa. (Se for seu primeiro bolo, ou se você não confia no seu forno, prefira formas baixas e largas, que tornam a tarefa de assar menos arriscada. Bolos altos exigem fornos de boa qualidade e temperatura estável, coisa que os fornos caseiros geralmente não são.)

Massa: Bata numa batedeira (ou no liquidificador) os ingredientes, começando pela manteiga e o açúcar e depois acrescentando os líquidos e secos alternadamente (fermento por último). Deixe bater até fazer bolhas de ar na massa.

Assar: Derrame a massa na forma untada (e dê umas batidinhas com a forma na bancada, para a massa assentar). Leve ao forno para assar. Demora uns 45 minutos mais ou menos. Paciência… Espere sentir bastante cheiro de bolo assando antes de dar uma olhadinha. Para ver se já está na hora de tirar do forno, teste no meio com um palito. Se o palito sair seco, está pronto!

Calda:
A receita da calda maravilhosa é da minha irmã e não vou dar aqui porque é muito difícil — só ela saberia explicar para ficar boa mesmo. Na atual conjuntura, eu uso cobertura de bolo pronta da marca Leite Moça. Sei que minha irmã não aprovaria… mas quem manda inventar uma calda que dá mais trabalho do que o bolo!

Sobre o desenho:
Fiz dois bolos hoje, e deram certo :-). Para o desenho, usei um pedaço de caixa de papelão que arranjei no supermercado Mundial. Para garantir que tudo caberia no espaço (uns 25 cm), tracei um esboço a lápis, depois passei canetinha preta Uni-pin 0.4mm, caneta Posca branca e lápis de cor. Para o título, usei caneta marcadora de CD preta. Foi divertido armar uma “natureza morta” como faziam os pintores flamengos, e descobrir como é difícil desenhar uma caixa de ovos transparente! Me enrolei toda. A ideia é totalmente inspirada (copiada, vá lá…) no que vi no site They Cook and Draw, em especial, no trabalho da ilustradora Koosje Koene, que também tem um blog muito simpático, que conheci através do Danny Gregory.