Karina Kuschnir

desenhos, textos, coisas


8 Comentários

De mim, recap

“And we’ll collect the moments one by one // I guess that’s how the future’s done” (♫ Feist)
[E vamos colecionar os momentos um por um // Acho que é assim que se faz o futuro]

“Recap” sobre mim para as pessoas novas chegando: sejam bem-vindas!

Sou apaixonada pelo Antônio e pela Alice, duas criaturas sensacionais, segundo minha opinião isenta de mãe. Também amo meu gato e meu namorado — nessa ordem porque o Charlie veio primeiro (sorry, baby).

Adoro escrever sobre livros e coisas úteis. Falo de experiências pessoais quando acho que é engraçado ou bonitinho, mas não gosto de falar de mim. Evito tanto postar selfies em redes sociais que um dia recebi uma mensagem de um leitor do blog perguntando se eu era “de verdade” ou se era uma velhinha cheia de assistentes. Melhor comentário da vida! Virou lenda aqui em casa. Era de um estudante fofo, a quem agradeci muito e respondi que era de verdade sim, bastava buscar no Google.

Em 2022, meu lema será “alegria de viver” porque foi o que mais me faltou em 2021. Traduzindo em karinês: alegria pra mim é quando consigo escrever, desenhar, pintar e ler livros (de papel) todos os dias. Também estou reaprendendo a meditar (tá difícil) e conseguindo fazer 30 minutos de musculação 4x por semana (um micro-hábito bem específico que aprendi com meu filho e que tá indo bem). Meu principal desafio de 2022 é chegar em março sem esquecer disso tudo.

“As pessoas são complexas”, meu ex-orientador repetia. E eu, idem. Adoro ser solidária, mas morro de preguiça de passar álcool no tapetinho da academia. Sou apaixonada por estudar, mas já citei autor que não li só para agradar a banca. Tento ser saudável, mas vivo tomando Tylenol. Não bebo álcool, mas de vez em quando sim. Posso comer maçã todos os dias e depois nunca mais. Já fui festeira, mas invento um monte de desculpas para não sair de casa (mesmo antes da pandemia). Amo dar aulas, só que não também.

Além de jornalista, antropóloga e mãe, sou ex-voluntária da extinta ong Amigas do Peito (meu doutorado pessoal por 11 anos) e professora da UFRJ.

Em 2013, criei esse blog para ter o compromisso de publicar textos e desenhos toda semana. O lema dele é ser útil e bem humorado — para constrastar comigo, que, se deixar, fico chata e inútil rapidinho. Já publiquei 250 posts aqui, todos um pouco autobiográficos, a maioria sobre livros e vida acadêmica, sendo duas coleções de fracassos (Não Passei I e Não Passei II) super instrutivas para combater arroubos de vaidade (tudo pode dar errado) e momentos de desespero (já estive pior).

Acho que é isso. Ufa, que post difícil!

O que mais vocês gostariam de saber? ☼

Projetos para o blog em 2022: publicar novos planos de aulas; fazer uma Parte II sobre cursos de desenho e pintura online; escrever sobre hábitos e organização; falar de livros que li em 2021; e fazer um índice de todos os autores já citados aqui.

Coisas:

♥ Para quem quiser ver se sou de verdade, publiquei pela primeira vez uma selfie junto da imagem desse post no Instagram.

♥ A citação de abertura é da música Mushaboom, da Feist. Vocês podem ouvir no Spotify ou no Youtube.

♥ Sobre o Charlie, tem um desenho dele aqui, num post sobre os “defeitos” do Saul Steinberg.

♥ Amanhã (21/1/2022), às 17h, farei uma live sobre volta às aulas com a maravilhosa Thais Godinho do Vida Organizada, no IGTV dela.

♥ Dia 29/01/2022, estreia a Exposição CHORO, do Antonio Kuschnir, com curadoria do Victor Valery, no Museu de Arte Contemporânea — MAC, de Niterói. (Sim, uma exposição de mais de 70 pinturas do meu filho — artista mais jovem a expor numa individual na história do MAC. Pensem na mãe mais feliz e orgulhosa do mundo!)

Sobre o desenho: Traços feitos com canetinha de nanquim descartável Pigma Micron 0.05 e lapiseira Pentel grafite 0.7 feito em um bloco de desenho espiral “Meu Primeiro Canson” em abril de 2021. Feito a partir de uma fotografia, tentando registrar rapidamente, como se fosse no tempo do ao vivo, como aqui.

Você acabou de ler “De mim, recap“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2022. “De mim, recap”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3TB. Acesso em [dd/mm/aaaa].


9 Comentários

A dádiva daquele instante – Torto Arado

“Diante dos meus olhos, vi minha mãe erguer sua mão direita e segurar com força o braço que avançava rompendo o ar para lhe atingir. Bastou esse gesto para que cessassem os urros e a cólera da mulher, e um fluxo de serenidade se instaurasse entre os presentes.” (Itamar Vieira Jr., Torto arado, p.59)

Li Torto arado em fevereiro de 2021. Ah, como sonhei em ser segurada pelos braços dessa mãe… Era em mim que ela derramava seu “milagre de energia”, serenando o mundo, por dentro e por fora.

Foi na época em que vivíamos a segunda tsunami pandêmica, falta de vacinas e o sufocamento em Manaus. Não preciso explicar, vocês sabem. Na versão particular desse pesadelo, tive um descolamento de retina e espiralei para aquele tipo de doença que todos os médicos diagnosticam como “stress” e te dizem para “relaxar”. Ah, tá.

Itamar Vieira Jr. chegou fazendo a mágica dos grandes escritores: trouxe paz e esperança, força e suavidade, susto e sossego. Fez surgir pessoas inteiras, complexas, encantadas. Lembrou-me de certezas que eu já julgava impossíveis — de que existem o bem-querer, o barro, o estudo, o rio e os milagres.

“O desalento que se abateu sobre todos com a prolongada estiagem contrastava com o sopro de vida que tudo aquilo poderia ser para nós.” (p. 79)

Essa frase traduz, pra mim, a vida seca e fértil de 2021. Foi ano de doença e morte, de ciência e vacina. Pudemos chorar de ódio, medo e dor, mas também de emoção, conforto e alegria.

Quem não derramou lágrimas na primeira dose? Eu e a moça do posto choramos. Até então, prevalecia o desespero, “como se o arado velho e retorcido percorresse as minhas entranhas, lacerando a minha carne” (p.127).

Torto arado trouxe uma energia que estava ali e não se via. Nas palavras de Zeca Chapéu Grande:

“Se o ar não se movimenta, não tem vento. Se a gente não se movimenta, não tem vida (…).” (p. 99)

Pensei na necessidade de me mexer. A terapeuta falou disso. A energia está dentro da gente. Ok, falta um mapa, mas é melhor do que o “relaxa” dos médicos. O único movimento em que eu conseguia pensar nessa época era fugir. Só que não dava, né? Pra onde? Como dizem sobre o lixo, não existe o fora no planeta terra.

Lembrei dos meus antepassados que escaparam da falta de perspectiva e das perseguições religiosas. Pensei no meu avô que ainda por cima fugiu sozinho. “O sangue do passado corre feito um rio”, escreve Itamar, sobre veias abertas há mais de 500 anos. Só que a fuga aqui não é medo: é coragem. As personagens do livro têm aquela força heroica que nos falta:

“Vocês podem até me arrancar dela como uma erva ruim, mas nunca irão arrancar a terra de mim.” (p. 230)

É tão bom que Torto arado seja novo e traga verdades tão antigas, como a história que conta: “triste mas bonita”. É tão reconfortante que possamos ler e imaginar possibilidades; movimentar não apenas o corpo mas os pensamentos na direção de algo bom:

“Juntas fecharam os olhos e compartilharam a dádiva daquele instante.” (p.258)

Os livros tiveram esse efeito sobre mim em 2021: seguraram minhas mãos e me enlaçaram em seus braços, como Bibiana faz com Belonísia na cena citada acima. Foram 68 volumes; 68 dádivas a me trazer para o instante.

Coisas:

♥ Livro citado: Torto arado, de Itamar Vieira Junior. Editora Todavia, 2019. (Desenho da capa da talentosa artista Linoca Souza).

♥ Lista simpática do The Guardian de 100 coisas para melhorar a vida um pouquinho em 2022.

♥ A dica acima foi do Instagram da Helô Righetto. Além de stories sobre Londres, caminhadas e plantas, a Helo faz ótimas recomendações de livros (reunidas na #HeloReads). Em 2021 ela até gravou (com a Rapha Perlin) um simpático podcast de 8 episódios sobre Jane Austen.

Sobre o desenho: Desenho feito com canetinhas Pigma Micron 0.05 e 0.1 no verso de uma folha do bloco A4 XL Aquarelle Canson (capa turquesa). Cores feitas com aquarela e lápis de marcas diversas. Quis imaginar as irmãs saindo de dentro do livro, talvez para mostrar o quão vivas elas me pareceram em suas páginas. Escaneei na impressora Epson L396 (que não recomendo pois vive dando problema) e depois editei um pouquinho no Photoshop. Não consegui acertar as cores do original na tela, mas segue assim mesmo. Até porque esse blog é um espaço de amor; e amor não combina com vaidade, concordam? ☼

Você acabou de ler “A dádiva daquele instante – Torto Arado“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2022. “A dádiva daquele instante – Torto Arado”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3To. Acesso em [dd/mm/aaaa].


54 Comentários

Janeiro/2022 – Planos sem culpa

“Quando não souberes pra onde ir, olha para trás e saiba pelo menos de onde vens.” (Provérbio africano, citado em Um defeito de cor)

Oi! Tem alguém aí? Passando para dizer que estou com saudades e trago o calendário do mês de janeiro, com o PDF em alta resolução para imprimir! Queria ter feito o ano todo de 2022, mas o meu possível foi um mêszinho só.

Como vocês estão? Espero que bem, vacinados e acolhidos entre pessoas queridas e por si mesmos.

Passei 2021 como a maioria: numa Montanha russa emocional. Atravessei ondas internas e externas difíceis. Precisei aceitar a vontade de ficar quietinha. Trabalhei, cuidei de mim, curti meus amores, me refugiei nos livros, desenhei (pouco) e escrevi (bastante) em papéis de verdade.

Agora veio o desejo de voltar pro blog, grata pela montanha de coisas boas que esse espaço virtual me trouxe, em especial, vocês, leitores tão gentis.

Para 2022, meus votos são por saúde, alegria e simplicidade; que possamos respeitar e considerar as emoções uns dos outros, acolhendo tristezas e dores, promovendo estimas e afetos. Tudo passa. Os tempos difíceis vão passar também.

Sei que temos motivos de sobra para chorar e ter medo, mas gostaria de um 2022 que nos desse permissão para cantar, dançar e sorrir. Por isso adotei um lema que achei no Google (sem autoria): “Life is hard. Choose joy anyway.” (Algo como: “A vida é dura. Escolha alegria mesmo assim.”)

Meu lado Addams olha com certo nojinho para esse conselho tipo “seja feliz”. Como assim, tanta desgraça acontecendo, não dá! Só que dá sim, tem que dar. Há crianças nascendo, livros sendo publicados, médicas se formando, negros protagonizando séries de amor, pessoas recebendo alta, organizações plantando árvores e salvando bichos, pesquisadores descobrindo remédios contra Covid, chilenos votando, jovens se apaixonando. E tem a 5ª temporada de The Office.

Desespero tem limite: bora acreditar. Sei que virada de “ano novo” é apenas um dia normal em que o sol dá uma volta ao redor da terra. Mas pesquisas comprovam que datas rituais nos ajudam a mudar, de verdade.

Façamos planos, sem culpa. Quais são os de vocês?

Coisas:

♥ O provérbio citado na abertura do livro “Um defeito de cor”, de Ana Maria Gonçalves (Record). Leitura maravilhosa de 2021. Espero trazer para cá num futuro post.

♥ Ouvi sobre como as datas especiais no calendário (festas, aniversários, estações, signos, feriados etc.) são boas para aumentar nossa capacidade de mudança em entrevistas com a Katy Milkman, autora do livro How to Change, no Intagram (Igtv do @peopleiveloved) e en vários podcasts (só procurar o nome dela). A autora é uma simpatia.

Sobre o desenho: Aquarela feita em papel Canson Montval (cortei uma folha grande em 14 pedaços A4, me preparando para o ano todo, só que não deu tempo). Molhei o papel e fiz manchas nos tons de amarelo e laranja, pincelando com toques de outras cores. Depois desenhei com lapiseira fina (e grafite HB) as coisinhas de praia: conchas em vários formatos (viva o Pinterest), mas também pequenos objetos que às vezes esquecemos na areia. A ideia era fazer tudo à mão, mas depois que exagerei nos detalhes, acabei finalizando no app Procreate do Ipad. Mantive duas camadas da aquarela sobrepostas e apaguei uma delas com a caneta eletrônica. Para a grade do calendário, consegui adaptar das que fiz para 2021 no Photoshop. Boa passagem de ano, pessoal! ☼

Você acabou de ler “Janeiro/2022 – Planos sem culpa“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2021. “Janeiro/2022 – Planos sem culpa”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3T2. Acesso em [dd/mm/aaaa].


12 Comentários

Montanha russa emocional

“Representou o nada com um símbolo. Trouxe à existência o inexistente.” (Yoko Ogawa)

Tenho pensado muito em vocês e em tudo que estamos passando. É difícil exprimir o invisível que nos separa e ao mesmo tempo nos une — seja pela calamidade, seja pela necessidade de esperanças que tragam ar.

A frase que abre o post evoca a beleza ambígua do zero — esse número mágico que nomeia o vazio mas à direita dos demais multiplica-os ao infinito!

Desenhei essa imagem das idas e vindas no mar num dia que experimentei essas duas intensidades: a sensação boa de compartilhar conhecimento, logo em seguida sufocada pelas notícias da falta de oxigênio em Manaus. Lembrei-me do quanto o oceano é bonito, irrespirável, pacífico, assustador; de como às vezes nos atrai para o fundo; dos dias em que respiramos por um fio ou daqueles em que nadamos fortes como peixes ou alegres como uma criança.

Nos piores momentos dessa experiência pandêmica, sinto-me em busca de uma linguagem para expressar o horror do vazio (dos hospitais sem estrutura à ausência de um plano nacional de saúde). Como nomear a sensação de fundo sem fundo diante do empenho governamenal a favor do vírus?*

Nos melhores momentos, me agarro à emoção das pessoas vacinadas, à poesia de Amanda Gorman, à echarpe da Mônica de Bolle em homenagem à sua avó comunista (que me faz chorar de saudades da minha), às dores de Darwin que, mesmo dilacerado por uma doença desconhecida, lutou pela ciência que hoje produz nossas vacinas, aos Afetos da Gabi e da Karina, ao Mundaréu da Dani e da Soraya, aos textos da Ana Paula Lisboa, ao Gil, ao Caetano, ao Rio das Lembranças do Zé Manoel, ao IGTV do The Dodo, aos áudios do Chris, aos livros e desenhos, aos bom-dias do Ju, às meditações com cores, aos esplendores da pintura do Antônio, às músicas ao violão e às gargalhadas da Alice.

Passei janeiro trabalhando por três. Sobrevivi com bastante auto-cuidado, aprendendo — na marra e na terapia — a conviver com o cansaço acumulado de 11 meses de pandemia: dor no ombro, rinite, enjôo, dores de cabeça, cólicas, cansaço, insônia, vontade de dormir o dia inteiro. De todos os males intermitentes, só não estou sofrendo de gula e alcoolismo, porque nos momentos de angústia meu estômago se fecha.

Boa parte desse trabalho foi de contato com os alunos e gestores da universidade. Tem um lado positivo porque gosto de me sentir útil. Precisei de forças para responder às mensagens de estudantes que perderam seus familiares mais próximos, ou daqueles que não estavam aguentando o ensino remoto… E me emocionei a cada contrato de estágio assinado, a cada declaração de colação de grau confirmada, a cada problema pedagógico-burocrático resolvido — foram as minhas pequenas alegrias no clique-clique do computador.

E vocês, quais foram os altos e baixos desse janeiro?

Que fevereiro nos traga vacinas, auto-acolhimento e cuidado.

Voltando ao mar, esqueci de dizer: esse mês aprendi que as dores da alma vêm em ondas. Às vezes precisamos aceitar o tempo da onda passar. Não acabou ainda, mas vai acabar. ♥

Sobre as coisas mencionadas acima:

♥ O livro de Yoko Ogawa citado na epígrafe é A fórmula preferida do professor (ed. Estação Liberdade). Gostei da leitura. Traz uma simultânea compaixão pelo envelhecimento e pela beleza das crianças. Li por conta desse vídeo da Leena Norms que me recomendaram. Depois fiquei curiosa e li algumas das histórias sobre o número zero aqui.

* Sobre como o atual governo vem atuando constantemente a favor do vírus ver o relatório completo, ou uma reportagem com resumo no El País e também tem uma boa conversa com Deisy Ventura.

♥ Da esperança das vacinas, a linda ilustração de Anne Pires da enfermeira Monica Calazans.

♥ Amanda Gorman recitando sua poesia, com legendas aqui.

♥ A homenagem da Mônica de Bolle para a avó com écharpe está aqui.

♥ O dia que me senti feliz por compartilhar foi nessa live que participei no canal da Thais Godinho, do Vida Organizada. Que gentileza e delicadeza de pessoa é a Thais!

♥ Sobre o Darwin, acabei de ler um biografia gigante (acho que será um post, mas desde já não recomendo essa edição porque a tradução é ruim.). O livro estava pegando poeira na estante há anos, mas deu vontade de ler quando ouvi o podcast Vinte Mil Léguas, indicado pela querida Marília.

♥ Os podcasts que sempre valem a pena ouvir: Afetos e Mundaréu. Que ilhas de esperança.

♥ Adoro tudo que a Ana Paula Lisboa escreve. Tá n’ O Globo (para assinantes), mas acho que um outline resolve. Volta e meia coloco nos meus stories quando sai.

♥ As lives do Gil e do Caetano no Youtube, o IGTV do The Dodo… E vai também a dica que a Letícia mandou e me deu tanta esperança: “No Rio das Lembranças” do Zé Manoel no Spotify.

Desculpem a quantidade de links! Normalmente prefiro ser mais comedida, só que as ondas estão altas e achei que seria bom espalhar botes para nos manter na superfície. Me mandem os pedacinhos de esperança de vocês. Não precisa ser em forma de url — vale risada de filho, avó sendo vacinada!, gato no colo, pão saindo do forno…

Sobre o desenho: Linhas feitas no caderno-terapia, com canetinha Uniball Signo Dx 0.38. Fundo do mar e céu amarelo (em homenagem ao AmarElo, do Emicida) feitos com aquarela num pedaço de papel Harmony da Hahnemühle. Escaneei e sobrepus os dois, editando no app Procreate do Ipad. Fiquei umas boas horas apagando o papel do desenho original para que a imagem vazasse no fundo aquarelado. Descobri que não gosto muito de criar no Ipad, mas editar e ajustar até que é divertido. Não vejo a hora de parar de pagar as taxas abusivas para ter o Photoshop.

Você acabou de ler “Montanha russa emocional“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2021. “Montanha russa emocional”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3SG.  Acesso em [dd/mm/aaaa].


13 Comentários

Esperanças para 2021

Pessoas queridas, saúde e esperança para todos nesse ano novo! ♥

Registrei os meus desejos de “menos” e “mais” para 2021, inspirada por uma proposta da artista Wendy Macnaughton. Quase refiz antes de postar para ser simples: meu sonho é apenas um 2021 sem Covid-19! Menos vírus, mais vacinas. Não sei de onde tirei que queria “mais washi tapes”!?

Pensei em refazer o desenho, acertando as proporções, passando a limpo. Mas o propósito desse blog não é ser todo arrumadinho. Meu objetivo é falar dos bastidores da vida, daquelas partes que nos trazem embaraço, medo, insegurança. Ao expor essas coisas, quem sabe a gente poder rir um pouco das nossas doidices e valorizar as alegrias do cotidiano. Se pudermos ser úteis, melhor ainda!

E os sonhos de vocês para 2021, quais são? O que vocês colocariam em listas de “menos” e “mais”?

Uma das minhas descobertas de 2020 foi ter um “caderno de terapia”, justamente onde fiz o desenho acima. Eu estava recém-começando um tratamento quando veio a quarentena. As sessões passaram a ser por zap. A cada telefonema, eu ia anotando frases em papeis avulsos ou junto com as tarefas do trabalho. Um dia, achei um caderno semi-novo da Alice largado num canto. Arranquei as páginas usadas, colei todos os papeis relacionados à terapia nas primeiras folhas e passei a utilizá-lo para anotar os temas que queria abordar na sessão seguinte. Quando vi, estava abrindo o caderno praticamente todos os dias, registrando eventos do dia, sensações boas e más, sonhos-pesadelos, pequenos desenhos do cotidiano. Virou uma espécie de diário, um companheiro de pandemia. É para onde corro quando me sinto paralisada e angustiada demais; é também onde tenho procurado registrar os momentos em que me sinto bem.

Sim, às vezes a gente precisa reconhecer: agora, nesse exato momento, está tudo bem. Tenho uma amiga querida que tem um filho adulto com uma saúde mental comprometida. Quando a gente pergunta “Tudo bem?”, ela pára um segundinho, olha o relógio de pulso e responde: “– Sim! Hoje, às oito horas e dezesseis minutos está tudo bem. Daqui a pouco, já não sei!” E solta uma gargalhada. Não tem como não rir junto.

Vejam vocês: comecei a escrever esse post e não sabia onde ia dar… Isso me lembra uma imagem que desenhei para uma palestra sobre vida acadêmica:

Nossa mente é um novelo de pensamentos embolados! Muitas vezes só descobrimos o que queremos — e precisamos — escrever, escrevendo!

Estou nessa vida de criar textos há tempos e garanto para vocês: ideias que achávamos incríveis às vezes se desmancham em poucas palavras, enquanto outras que pareciam meras notas de rodapé se tornam capítulos inteiros. É importante fazer planos e sumários, mas o que realmente faz um bom texto é começar a escrever. E revisar, claro. 😉

Se estiverem chegando no blog pela primeira vez, sejam bem-vindos! Tem dezenas de posts sobre escrita, criatividade, monografia, mestrado e doutorado na seção Vida Acadêmica e Aulas.

Para todos, recebam meu abraço virtual apertado! Hoje, nesse exato momento, estou bem — e contente de estar nesse espaço, compartilhando com vocês. ♥

Sobre o desenho: Imagens e texto feitos com uma canetinha que descobri recentemente numa papelaria do bairro: Uniball Signo DX 0.38, da Mitsubishi. É fininha, com a tinta bem preta, e super gostosa para escrever e desenhar. Só não é à prova d’água nem é baratinha. Acho que custou 24 reais, mas acredito que dure muito mais do que as canetas de naquim descartáveis, porque já escrevi dezenas de páginas com ela e a tinta continua perfeita. Nesse ritmo, uma Pigma Micron acabaria em poucos dias. O caderno-terapia é de espiral, capa dura, A5, com um elástico para fechar, da Papel Craft (não sei o preço porque foi um presente que a Alice ganhou). As cores do desenho foram feitas com lápis de cor aquareláveis Caran d’Ache Swisscolor. Nossa, uma das melhores coisas de fazer essa ilustração foi lembrar de como eu estava morrendo de saudades de lápis de cor e não sabia! Passei uma boa parte da quarentena apenas na aquarela ou fazendo cursos de Procreate (app do Ipad), mas conto sobre isso num próximo post.

Você acabou de ler “Esperanças para 2021“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2021. “Esperanças para 2021”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Sp. Acesso em [dd/mm/aaaa].


24 Comentários

Calendários 2021 de Janeiro a Dezembro

Pessoas queridas, que bom estar de volta! Espero que gostem desses calendários de 2021 um pouquinho diferentes. Pintar aquarelas abstratas foi uma das minhas terapias na quarentena. Fiz pinturas grandes pela primeira vez (como contei aqui) e aproveitei alguns dos originais para criar a decoração dos meses.

Para imprimir os calendários em alta resolução, seguem abaixo duas opções de download:

• Arquivo .zip com todos os meses de 2021 em PDF.

• Arquivos em PDF por mês de 2021: Janeiro, Fevereiro, Março, Abril, Maio, Junho, Julho, Agosto, Setembro, Outubro, Novembro, Dezembro.

Aproveitei para melhorar a qualidade gráfica da grade, das letras e dos números, redesenhando tudo à mão, no app Procreate do Ipad. Também mudei as semanas para começarem na segunda-feira. Achei melhor para visualizar sábado e domingo juntos. Vocês concordam? Outro detalhe: adicionei os dias do mês anterior e seguinte em cinza claro. Depois me contem o que acharam e se as impressões deram certo!

Tenho pensado muito no blog e em como me faz falta desenhar e escrever aqui, mas não quero fazer promessas nem planos.

Meu maior desejo para mim e para todos vocês é que a gente sobreviva até a segunda dose da vacina. Que possamos seguir, um dia de cada vez, com paciência, compaixão e delicadeza. E que cada família em luto ou em recuperação possa ser acolhida e apoiada nesse momento tão difícil. ♥

Seguem as imagens dos calendários em .jpg para vocês verem com mais detalhes antes de baixar:

Sobre os desenhos: Todas as pinturas foram feitas em papel Hahnemühle Harmony (300gr, sem algodão, comprado em folhas grandes que fui cortando). Pintei no verso pois é um pouco mais liso. No início, fiz três trabalhos com fundo branco, desenhando as esferas primeiro a lápis, depois pintando com aquarela bem aquada. Depois resolvi me aventurar pintando fundos coloridos antes de desenhar. Todos tiveram um pouquinho de tinta Lunar Black (Daniel Smith), assim como de outras que dão efeito granulado (azul ultramar, sienna queimada e tintas que descrevo aqui). Todos foram feitos a partir de pinturas de verdade. O único mais editado em Photoshop foi o de outubro, para ficar com o fundo mais escuro. Uma curiosidade: a aquarela original que menos gostei gerou o mês que achei mais bonito: dezembro, aniversário da Alice.

Sobre a impressão: Fiz testes em casa e os primeiros 11 meses ficaram bem certinhos, até que a impressora falhou em “outubro” (último mês que finalizei). Tenho uma Epson L396 que comprei em 2018 devido à qualidade do scanner (é ótimo mesmo) e por ter tanque de tinta líquida com refil. Mas ela deu problema de manchar e agarrar (ou não) o papel desde o início. Já utilizei a garantia duas vezes e agora o amarelo parou de imprimir (apesar do tanque cheio). Suspiros… Depois me contem se deu tudo certo para imprimir. Fiquei um pouco preocupada com essa diferença (de requerer mais tinta) em relação aos calendários anteriores.

Você acabou de ler Calendários 2021 de Janeiro a Dezembro, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺ Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Calendários 2021 de Janeiro a Dezembro”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3RE. Acesso em [dd/mm/aaaa].


19 Comentários

Medo do medo do medo (e um pouco de coragem)

Uma das vantagens de criar filhos é que você descobre a resposta de quase todos os problemas da vida nos livros infantis. Lá estão muitas das emoções do mundo, não importa quão estranhas.

Uma das mais frequentes é o medo. Medo de escorpião, de monstro, de mar, de bicho, de gente, de crescer… Aqui em casa, temos uma coleção de livros sobre o tema. Um dos meus favoritos é “Chapeuzinho Amarelo”, escrito em prosa rimada:

“Não tomava sopa pra não ensopar.
Não tomava banho pra não descolar.
Não falava nada pra não engasgar.
Não ficava em pé com medo de cair.
Então vivia parada,
deitada, mas sem dormir,
com medo de pesadelo.”

E de tantos medos, Chapeuzinho Amarelo tinha um maior que todos: medo de lobo:

“Mesmo assim a Chapeuzinho
tinha cada vez mais medo
do medo do medo do medo
de um dia encontrar um LOBO.
Um LOBO que não existia”

Um dia, a menina encontrou um lobo de verdade — desses assustadores, com boca e dentes gigantes — e o efeito foi surpreendente:

“Mas o engraçado é que,
assim que encontrou o LOBO,
a Chapeuzinho Amarelo
foi perdendo aquele medo,
o medo do medo do medo,
de um dia encontrar um LOBO.
Foi passando aquele medo
do medo que tinha do LOBO.
Foi ficando só com um pouco
de medo daquele lobo.
Depois acabou o medo
e ela ficou só com o lobo.”
(…)
“O lobo ficou chateado.”

O lobo se irritou. Que audácia! Insistia em assustar a menina, gritando que era um LOBO! E, de tanto ouvir aquela palavra — lo-bo-lo-bo-lo-bo-lo…–, Chapeuzinho pensou…

“E o lobo parado assim
do jeito que o lobo estava
já não era mais um LO-BO.
Era um BO-LO.
Um bolo de lobo fofo,
tremendo que nem pudim,
com medo da Chapeuzim.
Com medo de ser comido
com vela e tudo, inteirim.

E assim seguiu a menina, descobrindo que prefere bolo de chocolate (e não de lobo), sem medo de carrapato, de chuva, de brincar ou de se machucar.

Lembrei desse livro porque, depois de tanta auto-exposição online (aqui e aqui), acabei recebendo muitas mensagens sobre medos da vida acadêmica: medo de escrever, medo de falar, medo de não conhecer teorias suficientes, medo de metodologia, medo de mudar de orientador, medo de trancar o mestrado, medo de continuar, medo de terminar, medo de banca, medo de não conseguir um trabalho, medo de ensinar, medo de nunca publicar…

Mas o medo mais frequente é o de “descobrirem que sou uma fraude”. Não é tanto o medo de “ser uma fraude” (porque infelizmente muita gente já se acha uma fraude, já acha que a vida acadêmica não é pra si etc.). O medo é de algo que confirme isso, desde não conseguir terminar um TCC até não passar num concurso, ou ter seu artigo recusado.

Numa aula de metodologia em que participei recentemente, como convidada, várias alunas mencionaram que a parte mais impactante do livro Truques da Escrita foi o capítulo “Riscos”, escrito pela Pamela Richards, ex-aluna do Becker. É um depoimento sobre o medo de ser considerada uma fraude, o medo de se expor às críticas, de não ser boa o suficiente, de não ser considerada inteligente, de não ter legitimidade para ser considerada uma profissional da área etc. Porém, o mais interessante é que a Pamela aponta as consequências de se sentir assim: quem tem muito medo não se arrisca, não se expõe, “não fala nada pra não engasgar”, como Chapeuzinho Amarelo, antes de encontrar o lobo. Nas palavras da autora:

“Esse problema da confiança é crítico porrque desgasta o tipo de liberdade emocional e intelectual de que todos nós precisamos para conseguir criar.” (Pamela Richards)

Ao mesmo tempo em que coloca o dedo na ferida, Pamela aponta caminhos para se fortalecer: olhar para trás (vendo o que te levou a conquistar o lugar onde você se encontra); olhar para frente (conversando com amigos sobre o que você pretente com sua pesquisa). É preciso encarar o lobo da escrita:

“…quanto mais você escreve, mais fácil fica, porque com a prática você aprende que não é tao arriscado quanto temia. (…)
…estou aprendendo, ao passar mais tempo escrevendo, que vale a pena correr esses riscos.” (Pamela Richards)

É isso, pessoal. Talvez todos esses medos sejam como aquelas pequenas faunas caseiras, tão apreciadas pelas crianças, como diz um menino, em outro livro:

“Gosto de você, aranha, porque você não pica nem arranha.”

Ah, antes de me despedir: por que essa imagem ilustrando o post? Porque achei maravilhosa a liberdade dessa mulher, vestida do seu jeito, barriga de fora, sutiã aparecendo, carteira dourada debaixo do braço, sandália confortável nos pés, como se dissesse pro mundo: “meu corpo, minhas regras”. Assim arrisquei desenhá-la também, aceitando as distorções da rapidez, colorindo com as limitações que o meu papel permitia, mas sentindo uma profunda gratidão por ela existir e por eu mesma me permitir arriscar. Às vezes é só disso que precisamos: ter menos medo e sair pra brincar.

Sobre as citações: Chapeuzinho Amarelo, de Chico Buarque, ilustrado por Ziraldo (Ed. José Olympio). Truques da escrita, de Howard S. Becker (Ed. Zahar, trad. Denise Bottmann). Os trechos citados são todos do capítulo 6, escrito quase inteiramente por Pamela Richards, ex-aluna do Becker. A história da aranha, diversos autores (ed. Ática, série Lelé da Cuca, trad. Luciano V. Machado).

Sobre a imagem: Esse desenho é o número 15 do Projeto 50 Pessoas que comecei no final do ano passado e interrompi na metade devido à pandemia. Linhas feitas com canetinha de nanquim permanente Pigma Micron (0,05) por observação rápida de foto tirada por mim pela janela do ônibus em um caderninho Hahnemühle. Aquarelas acrescentadas em casa com essa paleta. Para mais detalhes, ver a página sobre os materiais que utilizo.

Você acabou de ler “Medo do medo do medo (e um pouco de coragem)“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Medo do medo do medo (e um pouco de coragem)”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Rk. Acesso em [dd/mm/aaaa].


20 Comentários

Sonhos

wfjardim_p

Comecei o ano cheia de projetos. Vários eram só lembretes do que já tento fazer: cuidar dos filhos, de mim, das artes, do blog e do trabalho. O mais diferente foi “quero ter menos pesadelos em 2020”.

Quem me acompanha aqui, sabe que essa é uma das minhas sequelas pessoais. Sonho muito e frequentemente estou no papel das personagens-vítimas de filme de terror. Já fiz exames em que dormi numa clínica grudada em dezenas de fios, já consultei especialistas, já fiz curso de meditação, já corri em volta da Lagoa, já tomei remédio alopata e homeopata, já fiz acupuntura. Melhoro um pouco, mas os pesadelos voltam.

Comecei uma terapia nova em janeiro, decidida a levar esse projeto adiante. Veio a pandemia, o choque, o medo, as milhares de vidas perdidas, o confinamento, nossa Covid não confirmada, o cansaço extremo com o trabalho remoto. Meus planos de ter menos pesadelos foram ladeira abaixo.

Então a Rosana Pinheiro-Machado teve a ideia de um projeto lindo de fazer um curso no Youtube com professores voluntários. Me ofereci para gravar um vídeo sobre Escrita e sofrimento acadêmico. A conversa está com quase 20 mil visualizações e 350 comentários — todos só gentilezas!

Mas não vim aqui me auto-elogiar, né? Queria compartilhar minha surpresa com um dos pontos mais destacados por quem assistiu. Muitos que sugeri “lembrar do sonho” que motivou sua trajetória acadêmica, dos momentos em que você se sentiu empolgada, entusiasmada, feliz ou simplesmente em paz e autoconfiante com a ideia de realizar a sua pesquisa.

Percebem o paradoxo? Eu, a senhora-dos-pesadelos, falando em como sonhar é bom! 😀

Pensar sobre tudo isso me fez lembrar da imagem que ilustra esse post. Sempre volto a ela antes de dormir. Faz parte de um projeto que terminei ano passado, de estudar-pintando um livro de 50 aquarelas do Wil Freeborn, conforme conto aqui.

Recorro a essa cena como uma forma de me transportar para uma sensação boa, de me sentir serena no aqui e agora. Nada contra lindas praias, mas são os jardins que fazem meu coração bater mais forte. Árvores, livros, sol e sombras, conversas, crianças com os pés na água.

Queria sonhar todo dia com parques e céus azuis. Estou longe disso, mas os pesadelos têm diminuído. A terapia está ajudando muito.

Agora meus filhos me dizem: “mãe, você precisa reassistir à sua própria aula”! Eles brincam que preciso dos meus próprios conselhos — de não me cobrar tanto, de me permitir recomeçar e ser imperfeita.

É por isso que escrevo e desenho: para não esquecer dos meus sonhos de sonhar melhor, para lembrar do que importa, para me reenergizar, para ser útil.

Bons sonhos, pessoas queridas! Até semana que vem.

E ontem (28/08/2020) teve aula da nossa reitora-musa do que já apelidei de “Universidade da Pinheira”: Rosana Pinheiro-Machado, falando sobre técnicas para estruturar um texto. Foi excelente. Concordo com cada detalhe, com todas as prioridades apontadas e com o diagnóstico sobre os principais erros dos textos que avaliamos, como perder o fôlego na parte crucial de um trabalho, que é a análise dos dados de pesquisa. Rosana conseguiu resumir o que mais falamos em revisões de artigos, bancas e orientações. Como eu, essa também foi a primeira aula que ela gravou sozinha em vídeo. É um desafio, gente. Mas acho que ela encontrou o tom perfeito: sério, afetivo, acolhedor, com espaço para improvisos e ainda com os sorrisos mais fofos do curso! ♥

Sobre a imagem: Como mostro na foto abaixo, esse é um dos 50 estudos que fiz a partir do livro “Learn to Paint in Watercolor with 50 Paitings”, do Wil Freeborn (ed. Quarto, 2017). Levei quase um ano para completar o projeto que começou em 2018, como conto nesse post. A ideia era pintar uma por dia. Concluí as 50, mas claro que não consegui cumprir esse cronograma fictício. Algumas eram muito complexas, outras atrasaram porque a vida atravessou. Mas aprendi muito! Pensei em compartilhar todas num post só, mas dá um trabalho gigante editar 50 imagens. Não posso me dar a esse luxo no momento atual. Vai ter que ser aos poucos mesmo.

wfjardim_livro_p

Em vários estudos, busquei simplificar a proposta do artista, reduzindo os detalhes ou pintando apenas uma parte da cena. Nessa imagem em particular, tirei elementos do fundo à esquerda e tentei fazer um gramado mais suave. Fiz todas em um caderninho pequeno, que ganhei de brinde (ver post citado acima). As cartelinhas de cores são uma forma que utilizo para entender os tons dos pigmentos das aquarela que tenho, como explico no post sobre a paleta de cores e na página de materiais. Na foto acima, livro aberto de W. Freeborn, meu caderninho espiral e as guias de tons em volta. Algumas intensidades mais escuras da imagem original eu não consegui atingir porque ainda estou aprendendo… Além disso, o papel do meu caderno era fino (para aquarela), aguentando no máximo duas ou três camadas de tinta.

Você acabou de ler “Sonhos“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Sonhos”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3Ra. Acesso em [dd/mm/aaaa].


9 Comentários

Imperfeições

Juva

“Caminhou quase todo o dia sem lhe acontecer coisa merecedora de ser contada; com o que ele se amofinava, pois era todo o seu empenho topar logo logo onde provar o valor do seu forte braço. Dizem alguns autores que a sua primeira aventura foi a de Porto Lápice; outros, que foi a dos moinhos de vento; mas o que eu pude averiguar, e o que achei escrito nos anais da Mancha, é que ele andou todo aquele dia, e, ao anoitecer, ele com o seu rocim se achava estafado e morto de fome; (…)” (Dom Quixote, Cervantes)

Por boa parte da quarentena, senti-me assim: vagando, seguindo, trabalhando e terminando os dias estafada e morta de fome — não de comida, mas de esperança e sentido.

O caminhar de Quixote e seu cavalo (rocim) nessa passagem me lembra a sensação de navegar a esmo nas redes no primeiros meses da pandemia. Parecia impossível abandonar as telas, as informações, as próximas datas, o término logo ali, bit após bit.

E nada disso veio. Para quem acredita em ciência, foi preciso aceitar que a solução não estava (e nem está) na esquina. Teremos que seguir todos os dias tentando não adoecer. Não é hora de sair de casa (se isso for uma opção).

Aqui, ficamos doentes, os resultados foram negativos, mas continuamos cumprindo as regras. Passou o pânico individual, mas não o horror pelas vidas perdidas.

Agora estamos numa nova fase, tentando reiventar os significados das coisas: da casa, do cuidar, do trabalhar e do criar. Precisamos caminhar, com todas as dores que nos acompanham, apesar de. Como disse a Aline:

“Mãe solteira, minha gente, somos um eterno ‘não vou conseguir’ enquanto vamos conseguindo.” (Aline Passos, no Twitter)

Achei lindo e que vale pra tudo: escrita, tese, trabalho, desafios. Precisamos entender as dificuldades, mas seguir seguindo. (Sigam a Aline, ela é incrível.)

E para meu próprio espanto, vencendo mais uma vez a timidez: hoje (15/08/20) estarei daqui a pouco às 17h numa live no canal da Débora Diniz no Instagram. O nome é Banquinha do Avesso, e a ideia é conversar sobre momentos de virada e/ou fracassos na vida acadêmica. Sei que tá em cima da hora, mas acho que ficará gravado no IGTV dela.

Meu imenso abraço e muito obrigada a todos que escreveram com gentilezas sobre a minha aula do curso da Rosana Pinheiro-Machado. Vocês são uns amores!! ♥

Sobre a citação inicial: Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes Saavedra, pág. 33 da edição Abril Cultural (1978, Trad. Viscondes de Castilho e Azevedo).

Sobre a imagem que abre o post: Montagem mal encaixada de uma pintura enorme que fiz durante a quarentena. Foi a maior aquarela que já pintei, com 104 x 48 cm. Tive que escanear em 8 partes. Ia encaixar todas as imagens direitinho no Photoshop, mas depois acabei gostando dessa montagem esquisita. Achei uma boa metáfora para esse momento de tentar nos equilibrar e seguir, mesmo sabendo que vamos deixar muitas coisas pelo caminho.

Sobre a pintura em si: Desenhei as esferas a lápis, utilizando vários objetos redondos da casa. Depois, pintei sobre a superfície do papel molhada de modo que as cores fossem se misturando ao sabor da água e das variações dos pigmentos. O papel e a liberdade foram presentes da minha sobrinha artista, Celina Kuschnir, com quem fiz uma oficina de criação maravilhosa, agora oferecida online (detalhes no IG do projeto S_O_L). 

Você acabou de ler “Imperfeições“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Imperfeições”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3QW. Acesso em [dd/mm/aaaa].


51 Comentários

Escrita e sofrimento acadêmico – minha primeira aula online

kkvideo_g

Pessoas queridas, nem sei o que dizer de tantas saudades que eu estava de vocês e desse espaço. Precisei fazer uma quarentena não apenas física, mas também virtual. Agora, por conta do convite da Rosana Pinheiro-Machado (@_pinheira), estou tomando coragem pra voltar e “desquarentenar” o blog.

Hoje (7/08/2020), às 15 horas, será minha participação com o tema “Sofrimento na Vida Acadêmica” no Curso de Escrita Acadêmica que ela está organizando com professores voluntários, participação da Débora Diniz e apoio do Instituto Anis Bioética. Uma lindeza de projeto, totalmente aberto e com uma programação incrível (segue completa abaixo).

Foi a primeira vez que gravei uma aula em vídeo. Ficou maior do que o tamanho pedido (de até 25 min.). Não sei se vai ao ar inteira ou cortada, mas depois posso colocar a versão completa e, quem sabe, se não acharem horrível, gravo outras. Tem alguns acertos, mas vejo tantos defeitos que pensei em escrever um post chamado “dez erros que cometi na minha primeira aula gravada” (hahaha). Mas seria contraditório. Como eu própria digo na aula: melhor ter humildade e aceitar que fiz o possível, dados os prazos, as condições logísticas, físicas, emocionais e, principalmente, de total inexperiência!

Peço um desconto nas críticas sobre o que faltou falar. Não foi possível dar ênfase a todos os tipos de sofrimento. O foco era na escrita em si. Já tinha estourado o tempo de gravação e, por isso, não aprofundei as dimensões de machismo, assédio, racismo e outros temas super importantes como depressão, dores físicas e psicológicas.

Desculpem-me os que sentiram falta dos posts e me mandaram mensagens. Obrigada pelo carinho. Também senti falta de mim mesma — sabem como é essa sensação? Acho que muita gente tá se sentindo assim. Está puxadíssimo levar a casa nas costas, o medo do vírus, o auto-isolamento, o trabalho remoto — tudo isso somado à tristeza gigante por ver o estado do nosso país, as mortes chegando a 100 mil e tantas pessoas (uma em especial que vocês sabem quem é) dizendo “e daí?”.

Como diz a música linda que conheci pela Alice:

“Quem vai chorar, quem vai sorrir?
Quem vai ficar, quem vai partir?”
(O trem das sete, Raul Seixas)

Nos vemos em breve, amores! Mandem perguntas, ideias, dúvidas, sugestões. Estou mais ativa no Twitter @karinakuschnir. Acho o Instragam um pouco sufocante e com aqueles milhões de anúncios. Já o Facebook, amo pelos amigos, mas cansa… Contradizendo tudo isso: continuo nos três. ☺ Para mais artigos e posts sobre vida acadêmica: estão todos organizados na seção Vida Acadêmica e Aulas.

Minhas boas vindas a quem estiver chegando aqui pela primeira vez.
Até semana que vem! ♥

Programa completo do curso de Escrita Acadêmica:

programa

Você acabou de ler “Escrita e sofrimento acadêmico – minha primeira aula online“, escrito e ilustrado por Karina Kuschnir e publicado em karinakuschnir.wordpress.com. Se quiser receber automaticamente novos posts, vá para a página inicial do blog e insira seu e-mail na caixa lateral à direita. Se estiver no celular, a caixa de inscrição está no rodapé. Obrigada! ☺

Como citar: Kuschnir, Karina. 2020. “Escrita e sofrimento acadêmico – minha primeira aula online”, Publicado em karinakuschnir.wordpress.com, url: https://wp.me/p42zgF-3QK. Acesso em [dd/mm/aaaa].